O Brasil parece ter acordado para uma tendência internacional do mercado financeiro. O bitcoin, moeda virtual criada em 2009, em meio a uma crise de credibilidade dos bancos, tem se popularizado. Hoje já são mais de 1,4 milhão de investidores em criptomoedas no país. Mas como entrar neste universo de forma segura e rentável? A resposta pode estar em uma plataforma como o Atlas Quantum, que oferece alternativas para potencializar os ganhos com bitcoins.

O modelo que envolve as transações com bitcoin faz com que muitos apontem a criptomoeda como responsável por uma revolução financeira. O sucesso da moeda virtual é creditado ao fato de que é totalmente descentralizada e, portanto, independente do controle de bancos, governos e outras entidades reguladoras. Qualquer pessoa com conexão de internet pode criar uma carteira digital e fazer transações.

Essas características resultam em uma série de vantagens. A eliminação de mediadores nas transações garante agilidade – enviar bitcoins de uma carteira digital para outra costuma levar entre 10 e 20 minutos, enquanto uma transferência TED tradicional pode demorar até uma hora. As taxas que acompanham transações bancárias também são eliminadas, o que torna as operações mais baratas.

Outro benefício importante em comparação com os serviços mediados por bancos é o funcionamento contínuo das operações. Como o bitcoin é uma moeda virtual, basta haver conexão de internet para que as transações sejam concretizadas, o que livra os usuários das amarras dos dias úteis e dos horários de funcionamento dos bancos.

A confiabilidade é assegurada por um sistema colaborativo e inovador de segurança. A própria rede de usuários é incentivada a validar as operações por uma espécie de livro contábil virtual batizado de “blockchain” (corrente de blocos, em tradução literal). Diversos computadores armazenam informações sobre envio e recebimento de valores e tudo é fortemente criptografado para evitar fraudes.