6º Informe Epidemiológico do Sarampo aponta mais 54 casos notificados - Fato Amazônico


6º Informe Epidemiológico do Sarampo aponta mais 54 casos notificados

O 6º Informativo Epidemiológico do Sarampo, divulgado pela Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) na manhã de ontem (17/04), mostra que Manaus registra 237 casos notificados de sarampo, o que representa 54 casos a mais do que o registrado há uma semana.

Do total de 237 casos notificados no município, 16 foram confirmados, 25 casos descartados, ou seja, não atenderam os critérios laboratoriais para a confirmação do sarampo, e 196 ainda estão sendo investigados. Dos casos confirmados, sete foram registrados em crianças com menos de um ano (44%) e cinco casos na faixa etária de um a quatro anos (31,3%). Os outros quatro casos foram confirmados em pessoas com mais de 20 anos.

O secretário municipal de Saúde, Marcelo Magaldi, explica que o Informe Epidemiológico do Sarampo é divulgado uma vez por semana, sempre nas terças-feiras, para apresentar as ações de monitoramento dos casos da doença no município de Manaus por meio da Sala de Situação de Vigilância em Saúde, definindo as diretrizes para o combate ao sarampo.

“Os dados apresentados pela Sala de Situação mostram que é importante priorizar as ações de prevenção entre crianças com até cinco anos de idade. Os profissionais de saúde estão buscando estabelecer estratégias para atingir esse público, incluindo a campanha de vacinação que segue até a próxima sexta-feira, 20 de abril”, informa Marcelo Magaldi, destacando que entre os 237 casos notificados, 66,6% foram registrados em crianças de até cinco anos de idade.

O secretário informa ainda que os Distritos de Saúde (Norte, Sul, Leste, Oeste e Rural) estão organizando ações de imunização em creches, públicas e particulares, Centros Municipais de Educação Infantil (Cmeis), associações e outras entidades.

Outra estratégia para a prevenção, definida durante reunião da Sala de Situação, é mobilização dos beneficiários do Programa Bolsa Família para a vacinação das crianças de seis meses a cinco anos contra o sarampo, o que passará a ser uma das condicionalidades para a permanência no programa.

Campanha – As ações da Campanha de Vacinação contra o Sarampo 2018, que têm como público alvo crianças com idade de seis meses até 5 anos, 11 meses e 29 dias, continuam até a próxima sexta-feira, 20/04, em 183 salas de vacina na rede municipal de saúde. A meta é atingir 211.907 crianças na faixa etária definida.

Ação integrada com universitários no apoio

As ações de combate ao sarampo têm recebido apoio fundamental de graduandos da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) e da Universidade do Estado do Amazonas (UEA). Desde o dia 26 de março, 24 residentes – 12 de cada instituição – foram integrados às ações de combate ao sarampo.

De acordo com a professora-coordenadora do estágio em ‘Medicina Preventiva e Social’ da Ufam, Heliana Feijó Leite, este é um momento importante para o aprendizado efetivo desses estudantes.

“A participação dos internos da Medicina nas ações de controle do surto de sarampo, além de ser uma oportunidade única de aprendizado significativo, também é uma ação de parceria solidária e de integração da escola médica com a rede de serviços de saúde e as comunidades”, frisou Heliana.

Para a coordenadora dos programas de residência em enfermagem da UEA, Lihsieh Marrero, a oportunidade de vivenciar a experiência, de perto, é fundamental para a formação completa dos enfermeiros.

“A participação das enfermeiras residentes da UEA na ação contra o sarampo, reforça a integração entre o ensino e o serviço de saúde e demonstra o compromisso da universidade com a população de Manaus”, ressaltou Lihsieh.

Outros 20 estudantes de Medicina, Fisioterapia, Educação Física e Enfermagem também atuam, tanto na Sala de Situação, como também nas salas de imunização das Unidades Básicas de Saúde (UBS).

De acordo com a coordenadora do Programa para Educação e Trabalho na Saúde (PET/GraduaSUS) da Semsa, Elizabeth Bezerra, estes estudantes passaram a estar inseridos no contexto da estratégia de combate ao sarampo.

“Eles já atuavam dentro das Unidades Básicas de Saúde, mas foram direcionados para as ações do sarampo com o objetivo de dar ainda mais densidade ao trabalho desenvolvido pela Semsa”, explicou Elizabeth.

A psicóloga da Gerência de Educação em Saúde (Gesau) da Semsa, Paula Bastos, explica que a parceria tem tornado as ações contra o sarampo, ainda mais efetivas.

“É muito satisfatório ver a progressiva qualificação da integração ensino, serviço e comunidade. As articulações entre serviço e ensino potencializam essas ações dentro do Sistema Único de Saúde (SUS), pois auxiliam a saúde ao mesmo tempo em que ofertam experiências significativas ao profissional em formação”, completou Paula.