Acusados de tráfico de drogas presos com mais 80 quilos e entorpecentes ganham liberdade depois de 21 presos em flagrante - Fato Amazônico

Acusados de tráfico de drogas presos com mais 80 quilos e entorpecentes ganham liberdade depois de 21 presos em flagrante

Os acusados de tráfico de drogas Campos Elias Valencia Medina, de 66 anos, Fernando Torres Alvarez, 40 anos, e Edwin Sneider Puentes Alavrez, 27, presos no mês passado por policiais do Departamento Estadual de Prevenção e Repressâo ao Narcotráfico (Denarc) com mais de 80 quilos de drogas entre oxi, cocaína e maconha, não passaram 30 dias atrás das grades, já estão nas ruas de Manaus.

Eles ganharam liberdade na última quarta-feira (8), graças a alvará de soltura expedidos pela desembargadora Encarnação das Graças Sampaio Salgado, da Segunda Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Amazonas.

Em seu despacho a desembargadora afirma que: “Assim, estando evidenciado o constrangimento ilegal por excesso de prazo para conclusão do inquérito policial, entendo que o pleito liminar deve ser deferido, contudo, determino que os pacientes compareçam mensalmente em Juízo para justificar as suas atividades, bem como informá-lo qualquer mudança de endereço, no intuito de garantir a aplicação da lei penal”.

Em consulta a vários advogados da área criminal, todos foram unânimes em afirmar que a desembargadora agiu baseada na lei. “A culpa deles sair não é da Justiça, mas da polícia. Prenderam e há mais de 20 dias não concluíram o inquérito. Aqui meu amigo o ditado popular a polícia prende e a justiça solta, não combina. A polícia prendeu, mas deixou a brecha para os bandidos serem soltos. Temos de cumprir as leis”, disse um advogado, que temendo represália terá o nome preservado, “não sou advogado do judiciário, mas ela agiu corretamente”, acrescentou.

Droga avaliada em um R$ 1 milhão

De acordo com a polícia a droga apreendia estar avaliada em mais de R$ 1 milhão deve pertencer aos colombianos Campos Elias Valencia Medina, 66, a esposa dele, Lia Montenegro de Valencia, 58 anos, a filha deles de 17 anos, Fernando Torres Alvarez, 40 anos, e Edwin Sneider Puentes Alavrez, 27.

De acordo com o delegado adjunto do Departamento Estadual de Prevenção e Repressão ao Narcotráfico (Denarc), Thyago Tenório, denúncias levaram a polícia à residência utilizada por eles para esconder entorpecentes. No local, situado no Novo Aleixo, Zona Norte da capital, residia o casal, Campos Elias Valencia Medina, de 66 anos, e a esposa dele, Lia Montenegro de Valencia, 58 anos. A filha, de 17 anos, foi apreendida.

Prisões

Fernando Torres Alvarez, 40 anos, e Edwin Sneider Puentes Alavrez, 27, foram detidos no momento em que chegavam na casa. Eles são apontados como tio e sobrinho. Com eles, a polícia diz ter apreendido R$ 5 mil. Durante a abordagem, eles informaram a existência de drogas no quintal da residência. O entorpecente estava enterrado no quintal. Ao todo, foram encontrados mais de 15kg de Skank, distribuídos em 18 tabletes. Ainda no local, foram apreendidos uma picup e diversos equipamentos eletrônicos, supostamente comprados com o dinheiro do tráfico.

Fernando Torres desenterrando a droga apreendida no quintal da casa onde morava

Segundo o delegado Tenório, a droga pertencia ao tio e sobrinho, e os dois utilizavam a residência do casal para esconder o material. A polícia afirma que a ligação entre eles ocorre desde de que eles moravam na Colômbia. "O Fernando poderia ter escolhido qualquer pessoa para esconder a droga, mas ele escolheu um casal colombiano", disse o delegado.

Na delegacia, Fernando Torres Alvarez apresentou documentos de RG e CNH falsos. "Estou em Manaus há um ano e um mês. Um brasileiro encomendava a droga da gente. Eu não sei para onde ela ia depois. Não era eu quem trazia a droga, eu a recebia", disse.

Campos Medina negou envolvimento no esquema. "Eu só guardava a droga para eles", declarou. Na delegacia, os outros envolvidos não quiseram comentar o envolvimento no esquema.