Adiada 2ª prova de sentença do concurso para juiz do TJAm - Fato Amazônico

Adiada 2ª prova de sentença do concurso para juiz do TJAm

A Comissão do Concurso Público do Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas e a Fundação Getúlio Vargas (FGV Projetos) decidiram adiar a segunda prova prática de sentença (P3) – área Criminal -, do concurso para o cargo de juiz de Direito substituto da instituição, que seria aplicada nesta sexta-feira (04), no Centro de Educação de Tempo Integral (Ceti) Gilberto Mestrinho, na avenida Leopoldo Péres, bairro do Educandos, Zona Sul de Manaus.

Até a próxima terça-feira (08), a Fundação Getúlio Vargas, instituição responsável pelo certame, irá publicar a nova data da segunda prova de sentença. A decisão ocorreu para não deixar nenhuma dúvida entre os 35 candidatos que foram classificados para esta fase quanto à lisura do certame, segundo o presidente da Comissão, desembargador Aristóteles Lima Thury.

“Os responsáveis pela abertura dos malotes com as provas, se confundiram com os malotes que deveriam ser abertos ontem (quinta-feira, 03) – que eram os das provas práticas de sentença cível -, e acabaram abrindo os que continham as provas de sentença criminal, que seriam aplicadas somente no segundo dia, portanto, nesta sexta-feira (04). Como alguns candidatos tiveram a oportunidade de ver as provas, decidimos adiar a aplicação das mesmas, para continuar mantendo a lisura, dignidade e honestidade do concurso para juiz”, explicou Thury.

Ainda de acordo com o presidente da Comissão, as provas aplicadas e realizadas nesta quinta-feira, que foram as de sentença prática cível, continuam válidas, pois não houve nenhuma irregularidade na abertura dos malotes, bem como na sua aplicação. “Temos preservado a transparência do concurso e a ética da Comissão e não podemos ter outro comportamento nesse momento. Erros podem existir, mas não desonestidade”, completou.

O coordenador de concursos da FGV, Bruno Campos, comentou que houve um equívoco na abertura dos malotes, na quinta-feira. “Foram abertos equivocadamente os malotes das provas que deveriam ser aplicadas neste segundo dia, de sentença criminal. Quando as provas chegaram às salas percebemos que se tratavam das provas de hoje. Foi suspensa de imediato a distribuição dos cadernos, que foram novamente lacrados na frente dos candidatos. Seguimos com o procedimento correto de abertura dos malotes com as provas de sentença cível e a prova transcorreu normalmente”, explicou Bruno. “Nós fizemos uma ata narrando o ocorrido e pegamos o ciente e concordância de todos os candidatos de que o principal objetivo naquele momento era manter o sigilo e inviolabilidade das provas e eles atestaram isso”, acrescentou.

As duas instituições decidiram remarcar a prova. Até a próxima terça-feira, a instituição irá divulgar a nova data.