Delegeada Roberta Merly, responsável pelo caso de Manacapuru.

A Polícia Civil do Amazonas, por meio da equipe de investigação da Delegacia Especializada de Polícia (DEP) de Manacapuru, município distante 68 quilômetros em linha reta da capital, sob o comando da delegada Roberta Merly, prendeu em flagrante, na tarde desta terça-feira (26/2), um jovem de 21 anos, denunciado por estuprar a própria sobrinha, uma adolescente de 14 anos. Após cometer o delito, o infrator ainda quebrou o aparelho celular da vítima.  

De acordo com a autoridade policial, as diligências em torno do caso tiveram início após a vítima procurar o Conselho Tutelar de Manacapuru e relatar que havia sido estuprada pelo próprio tio na manhã de segunda-feira (25/2), por volta das 8h, na casa onde eles moravam, situada no bairro São Francisco, naquele município. Em seguida, o representante do Conselho Tutelar levou a garota até a unidade policial para formalizar a ocorrência. 

“Em termo de declaração, a vítima relatou que os abusos sexuais vinham acontecendo desde quando ela tinha 11 anos de idade e que a própria mãe dela sabia da situação, mas não tomava providências. Ainda na segunda-feira (25/2), no momento em que estuprava a sobrinha, o jovem introduziu um cabo de vassoura na vagina dela. Depois do ato, o infrator ainda quebrou o celular da sobrinha. Diante dos fatos, solicitei a realização de exame de conjunção carnal, que atestou o abuso sofrido”, informou Roberta Merly.

A titular da DEP de Manacapuru informou que o infrator foi preso na terça-feira (26/2), por volta das 17h. “Ele ainda tentou empreender fuga, mas conseguimos alcançá-lo na casa onde morava, no bairro São Francisco. O jovem foi autuado em flagrante por estupro e dano consumado”, explicou.

Ao término dos procedimentos cabíveis na DEP de Manacapuru, o infrator foi levado para Audiência de Custódia no Fórum de Justiça Doutor Giovanni Figliuolo, em Manacapuru, onde teve o flagrante convertido em mandado de prisão preventiva. O jovem ficará à disposição da Justiça, custodiado na carceragem da delegacia, que funciona como unidade prisional em Manacapuru.