ALA VIP DA PAPUDA: Para receber os condenados do mensalão, o governo de Brasília reformou uma ala inteira de presídio - Fato Amazônico

ALA VIP DA PAPUDA: Para receber os condenados do mensalão, o governo de Brasília reformou uma ala inteira de presídio

Quando o Supremo Tribunal Federal (STF) condenou os mensaleiros petistas à cadeia, o ministro Dias Toffoli criticou a punição, comparando-a com o que ocorria no período da Inquisição. O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, seguiu a mesma linha e disse que preferia morrer a expiar seus pecados atrás das grades no Brasil. A solidariedade aos companheiros corruptos não impediu que José Dirceu, Delúbio Soares e José Genoino passassem uma temporada de menos de um ano no presídio da Papuda, em Brasília. Na semana passada, um tribunal italiano suspendeu a extradição de Henrique Pizzo­la­to, ex-­diretor de marketing do Banco do Brasil foragido do país depois de ser condenado a doze anos e sete meses de prisão no mesmo processo do mensalão. Numa tentativa de continuar na Itália, Pizzolato repetiu Cardozo e afirmou que prefere morrer a enfrentar as agruras da cadeia brasileira. Um exagero. Como a antiga cúpula do PT bem sabe, as prisões são superlotadas e desumanas – mas essas condições valem para ladrões de galinha ou criminosos que não podem pagar advogados renomados nem têm amigos poderosos na cúpula do poder. Não é o caso de Pizzolato.

Localizado a cerca de 20 quilômetros da Praça dos Três Poderes, o presídio da Papuda abriga 13 400 presos, o dobro da capacidade considerada adequada. A grande maioria toma banho gelado de caneca e dorme num chão de cimento úmido, muitas vezes ladeado por esgoto. Essa é a regra. Mas a regra sempre tem exceção – e ela brinda justamente os alvos da solidariedade de Toffoli e Cardozo. Em 2013, quando os mensaleiros mais célebres já haviam sido sentenciados à prisão, o então governador do Distrito Federal, o petista Agnelo Queiroz, começou a reformar em sigilo uma das alas da Papuda. O objetivo era garantir conforto aos colegas de partido. As antigas celas, com camas de cimento, foram demolidas e deram lugar a espaços amplos com camas de aço e colchões novos. As paredes ganharam textura branca, tomadas elétricas e iluminação fluorescente. Os banheiros coletivos receberam paredes e porta de madeira. A torneira que servia de ducha deu lugar ao chuveiro quente. A latrina rente ao solo, conhecida como boi, foi substituída pelo vaso sanitário de porcelana.

Tudo corria conforme o planejado, até que o Ministério Público do Distrito Federal descobriu a obra em uma inspeção de rotina. Beneficiários de mais um privilégio, os mensaleiros tiveram de ser transferidos para outras alas da Papuda, e o espaço reformado acabou destinado formalmente a presos considerados vulneráveis por terem condição de saúde debilitada ou serem considerados alvo de eventuais rebeliões. Com dez celas e capacidade para sessenta presos, o puxadinho de Agnelo recebeu apenas cinco detentos desde que ficou pronto, todos corruptos conhecidos nacionalmente, como o empresário Luiz Estevão, o primeiro senador cassado pelos colegas na história do país. Pizzolato, como se vê, não precisa se preocupar tanto. Ele tem bons amigos e grandes segredos guardados. Se souber usá-los, certamente escapará da realidade medieval que tanto o aterroriza. O Ministério Público considera real a possibilidade de o mensaleiro ser instalado na ala nobre da Papuda. O promotor Marcelo Teixeira quer que outros presos ocupem as vagas disponíveis. Resta a Justiça fazer a sua parte.

Fonte veja.com