Alunos do Literatus preparam livros sobre o mundial de futebol - Fato Amazônico

Alunos do Literatus preparam livros sobre o mundial de futebol

Com o objetivo de motivar os jovens para a apreciação à literatura, bem como a ler e escrever, o Centro Educacional Literatus (CEL) oferece anualmente uma oficina de texto, em que cada aluno pode produzir seu próprio livro. Assim, além de incentivar a linguagem escrita, os estudantes podem exercitar também a expressão dramática. Esse ano, a Copa do Mundo foi o assunto escolhido. Com o tema “Torcedor Legal”, os pequenos aprenderão sobre os direitos e deveres dos apaixonados por futebol.

Segundo a professora Kamila Gonçalves, responsável pela atividade, através do tema cada um dos alunos poderá desenvolver suas próprias reflexões e conclusões, debruçando-se sobre o Estatuto doTorcedor, a Lei federal 10.671/03 que estabelece as normas de proteção e defesa dos frequentadores de estádios e também debatendo sobre o que significa ser um cidadão consciente em uma sociedade democrática.

Com a colaboração do cronista e cartunista Thiago Recchia, a ideia é, ainda, abordar a cidadania de forma mais geral. Os estádios serão o pano de fundo para a invenção de histórias em que acontecerão interações com amigos e parentes e com personagens como bombeiros, policiais militares, guardas de trânsito, delegados.

Cada livro terá como personagem central um Torcedor Legal, escolhido entre várias opções, que irá lidar com situações que envolvem tópicos importantes do Estatuto do Torcedor, como a entrada no estádio, jogadores, torcida, arbitragem do jogo, entre outros.

Um dos destaques no livro será a segurança nos estádios, sempre lembrando que futebol combina com diversão e não com briga. Outro assunto abordado na atividade será o de invadir o campo, prática que já foi mais comum e, com as novas leis do Estatuto, vem diminuindo significativamente. O torcedor que fizer isso pode ficar até três anos sem poder entrar num estádio.

A realização desta atividade é dividida em várias etapas. Os professores discutem o tema com os alunos e os desenhos ou os contos são apresentados nas salas de aula e, a partir deles e do conhecimento que obtiveram nas discussões com a turma, cada aluno cria sua história. Os próprios alunos digitam seus textos.

Serão publicados, aproximadamente, 120 livros, escritos pelos alunos do 4º ao 9º ano do Ensino Fundamental.

A atividade, neste ano, iniciou em março e terá seu ponto máximo em agosto, com a entrega dos livros Torcedor Legal aos seus autores.

“Cadê o lixo que estava aqui?” e “Cachalote, uma baleia em perigo”, foram outros temas trabalhados na oficina do texto, em anos anteriores.

A atividade é oferecida pelo CEL, através do Portal Educacional desde 2001, e é uma oportunidade para que as crianças sejam autoras de uma história em parceria com um consagrado escritor brasileiro, colaborando com a relação de amor entre os alunos e a literatura, oportunizando experiências ricas em termos educativos, mas também gostosas e inesquecíveis.