O senador Eduardo Braga (MDB/AM) antecipou, na tarde da quarta-feira (27/02), no plenário da Casa, as homenagens à Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), que completa, amanhã, 52 anos de existência.

Além de exaltar a Zona Franca de Manaus (ZFM) como “o mais bem-sucedido modelo econômico de preservação ambiental e de desenvolvimento social que o Brasil já produziu”, o parlamentar dirigiu um apelo especial ao presidente Jair Bolsonaro e às demais autoridades brasileiras.

“Conservar a Amazônia não significa abandoná-la ou transformá-la num santuário”, afirmou Eduardo. “É preciso criar políticas públicas que garantam a sustentabilidade ambiental e do homem que vive naquele bioma. ”

Recuperação de vias – Mais cedo, o senador destacou a Tarcísio Gomes, ministro da Infraestrutura, a necessidade de obras de recuperação em rodovias que entrecortam o Amazonas. Na BR-307, afirmou Eduardo, existem, pelo menos, dois trechos. O primeiro liga Benjamin Constant a Atalaia do Norte, no Alto Solimões.

Outro compreende a estrada de Camanaus e o distrito de Cucuí, em São Gabriel da Cachoeira. Neste percurso, vivem milhares de indígenas e pequenos agricultores que sofrem com a ausência de serviços básicos, como os de saúde e de energia elétrica. “Se não houver uma rápida intervenção, nem imagino como será possível o acesso a esse município”, afirmou Eduardo ao titular da Infraestrutura.

O senador pediu, ainda, que fossem agilizadas as obras numa extensão de 30 quilômetros da BR-317, entre Boca do Acre (AM) e Rio Branco (AC). “Se esse empreendimento for levado adiante, o Alto Purus poderá ser ligado ao resto do país”, salientou o parlamentar amazonense, que também solicitou providências urgentes na BR-230 (Transamazônica), entre os municípios de Apuí, Humaitá e Lábrea. “Esses trechos estão ficando piores que a BR-319”, disse Eduardo, numa referência à rodovia que liga Manaus (AM) a Porto Velho (RO) e também carece de pavimentação.