Aos prantos mãe de PM encontrada morta acusa cabo da PM de ser o autor do disparo e garante que vai atrás de Justiça – Veja o vídeo - Fato Amazônico

Aos prantos mãe de PM encontrada morta acusa cabo da PM de ser o autor do disparo e garante que vai atrás de Justiça – Veja o vídeo

"Está doendo demais, está indo embora minha vida. Quero que seja investigado e que a justiça seja feita. Esse monstro de farda que matou minha filha tem que ser punido e quero vê-lo preso. Que as mãos de Deus venham pesar sobre esse homem que matou minha filha. Ele a impediu de viver. Enquanto não houver justiça, não sossegarei", desabafou Antônia da Silva, no enterro de sua filha a policial feminina Deusiane da Silva Pinheiro, 26 anos, encontrada morta em circunstâncias misteriosas, na noite da última quarta-feira (1), na base de Comando Especial de Polícia Ambiental (CEPA), pelotão fluvial da Polícia Militar, na avenida do Turismo, bairro Tarumã, Zona Oeste de Manaus.

Antônia, no momento de dor disse olhando para o caixão de sua filha no Cemitério São João Batista, onde a policial foi enterrada ontem de manhã, “o Elson matou a minha filha. O Elson matou a minha filha. Que as mãos de Deus venha pesar sobre ele”, gritava em prantos a mãe, que não acredita que a filha tirou a própria vida, mas que o cabo da PM Elson Santos de Brito,36 anos, com quem a vítima teve um relacionamento que acabou quando ela descobriu que ele era casado, seja o autor do disparo que matou a policial.

Ontem de manhã durante o velório de Deusiane, peritos do Instituto de Criminalística (IC) estiveram na casa dela para recolher amostras de material biológico das mãos da vítima. O material será submetido ao exame residual de pólvora, que indicará ou não se o disparo foi efetuado por ela.

O procedimento foi realizado a portas fechadas e o material para o exame foi coletado dois dias após a vítima ter sido encontrada morta, o que deixou os familiares revoltados.

Para os familiares o resultado deverá ser prejudicado pela demora e pelas condições do corpo no momento da coleta. "Eles estão escondendo tudo. Aquele assassino matou minha irmã ", disparou Cláudia da Silva, irmã da vítima.

O resultado de o exame de acordo com uma nota a Polícia Civil encaminhada a imprensa deverá ficar pronto em pelo menos 30 dias, prazo mínimo para o resultado dos exames.