Ao contrário de outros senadores que abriram o voto para a presidência do Senado, Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) alegou  a condição de filho do presidente para não revelar o seu escolhido para o cargo durante a primeira votação. No entanto, a decisão foi criticada no Twitter e, durante a segunda votação, ele declarou voto em Davi Alcolumbre (DEM-AP).

“Sou a favor do voto aberto, mas nessa ocasião específica, por ser filho do chefe de outro Poder, optei por não abrir meu voto, para evitar especulações com intuito de prejudicar o governo”, postou em uma rede social mais cedo. “Que o eleito, independentemente de quem for, apoie as pautas que o Brasil necessita”, completou.

Mais tarde, no Twitter, Flávio Bolsonaro justificou a abertura do voto por suspeita de fraude. (Estadão)