Arthur Neto disse que a eleição é importante, mas é necessário priorizar atos do governo municipal (Foto Sérgio Guimarães/Fato Amazônico)
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O prefeito de Manaus, Arthur Virgílio Neto, ao ser questionado na tarde desta segunda-feira a respeito de seu apoio a sucessão estadual foi enfático afirmando que só falará de eleições estaduais em julho, quando haverá as convenções partidárias. “Não me pergunte sobre eleição até julho. Até lá não falarei nada. Nenhuma palavra”, declarou, afirmando que não quer transformar seu gabinete em um comitê político.

Arthur, foi questionado pelos jornalistas depois da solenidade de lançamento da 3ª fase do Programa Habitacional do Servidor Público, que disponibilizará 1,5 mil unidades habitacionais com descontos e vantagens exclusivas para quem trabalha no município. O evento foi no auditório da Casa Militar, no bairro Compensa, Zona Oeste.

“Nós vamos cuidar disso no momento próprio. Senão eu não governo. Senão eu perco o prumo do governo. Senão eu priorizo aquilo que não é prioridade. Eleição é importantíssima. Eleição é a base da democracia, de fazer a festa das eleições com muita alegria, mas no momento certo, não é agora”, acrescentou Arthur, afirmando que pensar em eleições agora atrapalharia sua administração.

Depois de afirmar que não falaria de eleições, o prefeito voltou a falar de habitação e explicou que o programa coordenado pela Subsecretaria Municipal de Habitação (Subhaf), além de ajudar o servidor a conseguir seu imóvel próprio, injeta dinheiro no setor da construção civil, fundamental nesse momento de crise do mercado, e consequentemente na cidade de Manaus.

“O programa do servidor dá opções de escolha e desconta no contracheque daquele colaborador da prefeitura. Dessa forma, o risco é zero para as empresas. Nós também estamos cuidando de aparelhar com escolas e creches esses empreendimentos habitacionais. Eles são realidades novas e exigem esses cuidados para atender novos habitantes”, declarou Arthur Neto, durante o lançamento.

O programa como um todo — que é inédito em Manaus — apresenta números expressivos, somadas as fases 1 e 2: são 550 servidores beneficiados com a casa própria e a negociação de aproximadamente R$ 64 milhões. A expectativa é de que na terceira fase o movimento gire em torno de R$ 150 milhões.

“Manaus desenvolve a maior política habitacional de todos os tempos. Inicialmente serão cinco empresas, mas também convidamos outras que queiram participar, pois há mercado para isso. Temos em nossos bancos de dados, aproximadamente 22 mil servidores que mostraram interesse em adquirir um imóvel”, observou o subsecretário da Subhaf, José de Arimatéia.

Para o empresariado da construção civil, a parceria com a prefeitura foi uma grande ajuda para o setor, como explicou o presidente Redes de Imobiliárias do Amazonas (Rimam), Hélio Alexandre.

“O prefeito deu uma oportunidade de fazermos um trabalho maravilhoso. Essa geração de negócios que ele cria não só para a cidade, mas também para o Estado em pleno momento de crise é uma saída para construtor. Ao invés de pedir isenções, ele trouxe um volume tão grande, que atende as demandas das empresas e dos servidores públicos. Por isso que ele é o prefeito da habitação”, salientou Hélio Alexandre.

O programa

Podem participar do programa servidores públicos municipais ativos e inativos, sejam efetivos, celetistas, RDAs e até mesmo os comissionados. Dentro dos trâmites necessários, o servidor interessado deve, primeiramente, procurar o setor de recursos humanos de sua secretaria e pedir a inclusão do nome no programa para, posteriormente, realizar seu cadastro com o agente financeiro. Após ser contemplado, a segunda etapa será a entrega da documentação: RG, CPF, comprovante de renda dos últimos seis meses, FGTS, CLT, Imposto de Renda Pessoa Física e certidão de casamento.

Os servidores interessados nos imóveis devem preencher ainda outros requisitos: como se encaixar nas determinadas faixas salariais exigidas pelo programa; o funcionário não pode possuir o nome negativado e não pode ser beneficiado por outros programas do Governo que visam o crédito imobiliário.

A seleção dos contemplados será procedida pelo agente financeiro, de acordo com os critérios “Minha Casa, Minha Vida”, em cada faixa do programa.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •