Assembleia vota projetos que beneficiam servidores da área da Educação - Fato Amazônico

Assembleia vota projetos que beneficiam servidores da área da Educação

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Josué Neto (PSD) assegurou, em comunicado oficial distribuído aos trabalhadores da área da Educação, do Estado, que os três Projetos de Lei encaminhados pelo governo estadual à Casa concedendo reajuste salarial (PL 146/14), reestruturação remuneratória (PL 147/14) e assegurando o Ticket Alimentação (154/14) para os servidores da Secretaria de Educação e Qualidade do Ensino (Seduc), serão votados nesta quinta-feira (15), a partir das 10h.

Nesta quarta-feira (14), os projetos deixaram de ser votados em regime de urgência, em razão de uma reação inesperada das duas correntes de professores presentes no plenário na galeria da Casa.

Liderados pela Associação Movimento de Luta dos Professores de Manaus (Asprom) e o Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado do Amazonas (Sinteam), os professores se agrediram verbalmente no plenário e foram chamados à ordem, pelo presidente da Mesa Diretora, Belarmino Lins (PMDB). Apesar dos avisos insistentes, os professores não obedeceram e a sessão foi encerrada antes que a votação pudesse ser concluída.

Os projetos de lei foram levados a votação no plenário, depois de muita negociação durante toda a manhã, com o governo estadual, intermediada pelo presidente Josué Neto (PSD) e os líderes do governo Sinésio Campos (PT) e do Pros, Sidney Leite. Os deputados e lideranças sindicais concordaram em votar os projetos governamentais, inclusive o último deles encaminhado pela manhã pelo governador José Melo, concedendo o ticket alimentação.

Antes da votação, o presidente Josué Neto fez um comunicado informando a respeito das negociações feitas com o governo (Seduc, Sefaz e Casa Civil), com as lideranças dos professores, a fim de que os três projetos de Lei fossem votados e aprovados dentro da legalidade e conforme os acordos celebrados.

Porém, ao se iniciar a votação do PL 146/14, do reajuste salarial da data base dos servidores da Seduc, na discussão sobre emendas referentes à eleição de diretores de escola e pagamento do HTP (horário de trabalho pedagógico), militantes dos dois sindicatos começaram a trocar acusações, interferindo no processo de votação, o que levou à suspensão da sessão.