Atendimentos nos CAPS reforçam ações de saúde mental no Município - Fato Amazônico




Atendimentos nos CAPS reforçam ações de saúde mental no Município

No mês de setembro, escolhido por entidades como Centro de Valorização da Vida (CVV), Conselho Federal de Medicina (CFM) e Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) para sensibilizar a sociedade sobre a necessidade de encarar o suicídio como um problema de saúde pública, a Prefeitura de Manaus vem reforçando os cuidados com pacientes atendidos nos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS), que integram a rede de atenção gerenciada pela Secretaria Municipal de Saúde (Semsa).

Estudos apontam que, invariavelmente, os suicidas estão passando por uma doença mental que altera, de forma radical, a sua percepção da realidade e interfere em seu livre arbítrio. O tratamento eficaz da doença mental é o pilar mais importante da prevenção do suicídio. Após o tratamento o desejo de se matar desaparece.

“Na atualidade, um dos fenômenos do sofrimento humano que apresenta aumento dos índices é o suicídio, e que por isso vem sendo tratado como problema de saúde pública. O Ministério da Saúde e a Organização Mundial da Saúde apontam que todos os dias pelo menos 32 brasileiros tiram suas próprias vidas e em todo mundo estima-se que aconteça um suicídio a cada 40 segundos. A OMS afirma ainda que 90% dos suicídios poderiam ser evitados. A prevenção é a melhor estratégia de enfrentamento para evitar casos de óbitos e isso que fazemos na Semsa com os nossos três CAPSs”, aponta o secretário municipal de Saúde, Marcelo Magaldi.

Para assegurar que haja excelência nos serviços oferecidos, Magaldi tem feito visitas sistemáticas às unidades de saúde, inclusive aos CAPS. “É orientação do prefeito Arthur Neto que estejamos nas unidades para verificar in loco as necessidades e evitar que falte o que é necessário aos atendimentos. Nos CAPS acompanho desde a estrutura física até aos atendimentos realizados”, destacou.

Nos CAPS são oferecidos serviços de saúde de caráter aberto e comunitário constituídos por equipe multiprofissional que realiza, prioritariamente, atendimento às pessoas com sofrimento ou transtorno mental, incluindo aquelas com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, em situações de crise ou nos processos de reabilitação psicossocial e são substitutivos ao modelo asilar.

Tipos de atendimento

A Semsa tem em sua estrutura de atendimento psicossocial, três centros para atendimentos especializados: o CAPS Benjamim Matias Fernandes, no Parque Dez; o CAPS AD III Dr. Afrânio Soares, no Aleixo; e o CAPSi Leste, no Coroado.

O CAPS Benjamim Matias Fernandes oferece serviço especializado no atendimento de pessoas adultas com transtornos mentais graves e persistentes, além de autismo. A permanência de um mesmo paciente no acolhimento noturno é limitada a sete dias corridos ou dez dias intercalados em um período de 30 dias.

No CAPS AD III Dr. Afrânio Soares são atendidos adultos com problemas decorrentes do uso de álcool e outras drogas. O serviço funciona nas 24 horas do dia, em todos os dias da semana, inclusive finais de semana e feriados. A permanência de um mesmo paciente no acolhimento noturno é limitada a 14 dias, num período de 30 dias. Havendo necessidade da permanência no acolhimento noturno por um período superior a 14 dias, o usuário é encaminhado a uma Unidade de Acolhimento.

O CAPSi Leste é um serviço especializado no atendimento a crianças e adolescentes com transtornos mentais e problemas decorrentes do uso de álcool e outras drogas. Conforme orientação do Ministério da Saúde (MS), o CAPSi é o dispositivo da saúde também destinado ao atendimento de crianças e adolescentes com transtorno do espectro autista (TEA).

Em cada CAPS há uma média de 80 atendimentos ao dia.

Ações da Semsa no Setembro Amarelo

A Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), por meio da Gerência da Rede de Atenção Psicossocial (Graps), realizará no próximo dia 25/9, às 8h30, no auditório do Parque do Idoso, uma série de palestras para 150 servidores da área de saúde, educação e assistência social da Prefeitura Municipal de Manaus, além de servidores da Secretaria de Estado da Saúde (Susam).

Dentro dos temas centrais que vão ser tratados nas palestras estão os dados atuais de pesquisas realizadas sobre o tema na realidade local, a identificação dos sintomas e possíveis encaminhamentos.

PROGRAMAÇÃO

8h – Abertura

8h30 – Palestra: Pesquisa sobre suicídio no município de Manaus (Profa. Dra. Denise Gutierrez, Doutora em Saúde Pública pela Fundação Oswaldo Cruz, docente da UFAM).

9h – Palestra: Pesquisa sobre suicídio no município de Manaus (Profa. Dra. Denise Gutierrez, Doutora em Saúde Pública pela Fundação Oswaldo Cruz, docente da UFAM).

9h40 – Coffee break

10h – Palestra: Suicídio. Identificando sintomas e possíveis encaminhamentos. (Dr. Leandro Boni Fajardo, médico psiquiatra com residência médica pela Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, psiquiatra do CAPS Benjamim Matias Fernandes e docente da UEA).

10h40 – Palestra: Apresentação do CVV (Psicóloga Luziane Vitoriano, psicóloga especialista em relações familiares na teoria sistêmica, membro da Diretoria Executiva do Núcleo de Apoio à vida Manaus).

11h20 – Debate.