Bando é preso em flagrante com mandados falsos do Tribunal de Justiça - Fato Amazônico

Bando é preso em flagrante com mandados falsos do Tribunal de Justiça

Uma quadrilha composta pelo policial militar reformado Francisco de Almeida, 39, o “Fanego”; Francisco de Assis Moura Melo, 53, o “Chicão”; Márcio Santos de Brito, 42, o “Índio”; e o ex-policial militar José Menezes de Freitas, 56, o “Salada”, foram presos ontem por policiais da 4ª Seccional Oeste e do 20º Distrito Integrado de Polícia. O bando acusado, além de formação de quadrilha, de extorsão, sequestro, falsidade ideológica e porte ilegal de arma. O grupo foi preso em via pública, na Avenida Lírio Rosa, bairro Campos Sales, Zona Oeste de Manaus.

De acordo com a delegada Suely Costa, os quatro foram abordados em carro modelo Corsa Classic, placas JXY-7536. No veículo, foram encontrados seis celulares, uma algema e uma camisa da Polícia Civil. Com “Fanego”, os agentes apreenderam um revólver calibre 38 e seis munições intactas.

“Com “Chicão”, encontramos carteiras falsas de investigador da Polícia Civil e de oficial de Justiça; mandados falsificados de reintegração de posse de veículos, em nome de uma juíza da 5ª Vara Cível, Margareth Rose Cruz Hoagem; além de um revólver calibre 38 com cinco munições. José estava com uma carteira falsa de investigador de polícia”, complementou a delegada.

A autoridade policial explicou que eles utilizavam a documentação para intimidar pessoas e extorquir dinheiro e bens, como veículos. Suely Costa afirmou que para chegar à quadrilha foram quatro meses de investigação. “Em janeiro, uma vítima foi até a 4ª Seccional Oeste para denunciar que havia sido sequestrada e extorquida por um grupo que se passava por policiais e oficiais de Justiça”, disse.

A pessoa conseguiu anotar a placa do veículo usado pelos homens e repassou a informação à equipe policial. “A partir disso, descobrimos que se tratava de um carro alugado e, ao confrontarmos as informações com a locadora, chegamos ao nome de Francisco de Almeida. Na época, ele foi indiciado por extorsão, mas como não havia flagrante, ele estava respondendo pelo crime em liberdade”, relatou a delegada.

Suely Costa afirmou que os investigadores conseguiram chegar ao grupo na tarde de ontem, ao serem informados que a quadrilha agiu novamente com a mesma pessoa. “Eles exigiram da vítima, que é um comerciante, o dinheiro de vendas de roupas. Só o liberaram quando levaram todos os pertences dele. Após a ação criminosa, a vítima entrou em contato conosco e nos passou detalhes sobre o bando e características do carro”, salientou.

Segundo a delegada, há indícios de que outros indivíduos fazem parte desta quadrilha. “Vamos continuar nossas investigações para encontrá-los. Ao todo, já temos denúncias de nove pessoas que foram vítimas deste grupo, sendo a maioria estrangeira”. Ao término dos procedimentos na delegacia, os quatro serão encaminhados à Cadeia Pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoa, onde ficarão à disposição da Justiça.