Blog do Hiel Levy publica novas denúncias contra Evandor Geber Filho, presidente da Afeam - Fato Amazônico

Blog do Hiel Levy publica novas denúncias contra Evandor Geber Filho, presidente da Afeam

O jornalista Hiel Levy, dono do blog do hiel, disse que teve acesso a um extenso rol de documentos internos da Agência de Fomento do Amazonas, que inclui o planejamento estratégico do órgão para 2015. São leilões, contratos, renegociações, investimentos, aplicações, projeções e pagamentos avulsos. Ele prometeu todos os dias publicar uma as denúncias que envolvem o presidente do órgão Evander Geber Filho, que deve milhões a bancos paulistas e mesmo assim o governador José Melo (PROS), mantém à frente da Afeam. Veja a baixo a matéria.

Plano Estratégico:No ítem 3.2.1 do documento, que fala sobre as fraquezas internas, há uma série de críticas à forma como os créditos estão sendo liberados na administração do atual presidente, Evandor Geber Filho, e considerações ainda mais pesadas sobre as deficiências estruturais sob a responsabilidade do governo do Estado.

Vamos às mais destacadas, do jeito como estão no documento, sem mudar uma vírgula:

1 – Mesmo com a criação de novas linhas de crédito específicas, em sua maioria ainda são generalistas, ou seja, poucas pessoas são customizadas a mercados potenciais, dificultando a criação de uma relação para o cliente entre o produto e sua necessidade (ou seja, a Afeam libera dinheiro público sem critério);

2 – Atendimento permanente no interior do Estado, distribuido em Unidades Descentralizadas insuficientes para consecução dos objetivos da empresa (ou seja, por mais que o governador José Melo queira, a Afeam não tem como levar o Banco do Povo para todo o Estado hoje);

3 – Elevados índices de transferência a Créditos Compensados (prejuízo) das operações de crédito realizadas com recursos dos Fundos (ou seja, a Afeam não está saudável financeiramente);

4 – Ausência de banco de dados socioeconomicos capaz de fornecer informações para melhor direcionamento do crédito (ou seja, a Afeam faz empréstimos às cegas);

Mais adiante, no ítem 3.2.2, quando trata das ameaças externas, o documento faz pesadas críticas à estrutura do governo, tais como:

1 – A cultura vigente por parte dos clientes financiados, principalmente no interior do Estado, de caracterização de recursos públicos como concessão a fundo perdido (pela primeira vez a Afeam reconhece que as operações de microcrédito são políticas e dá a entender que o Banco do Povo na verdade vai distribuir e não emprestar dinheiro, o que é crime);

2 – Ausência de mapeamento de potencialidades por órgãos públicos responsáveis (zoneamento econômico ecológico) (aqui está embutida uma crítica direta à Secretaria de Produção, ao Idam, à Secretaria de Planejamento e demais órgãos governamentais que teriam de manter esta base de dados para qualquer iniciativa, o que desmente mais uma vez o governador José Melo, que disse na campanha eleitoral de 2014 ter um levantamento destas potencialidades);

3 – Deficiência no escoamento da produção agrícola no interior do Estado (Omar Aziz passou a campanha dizendo que tinha ajeitado isso ao longo de seu governo);

4 – Podução insuficiente de matéria prima (Fruticultura, Látex, Fibras Vegetais, etc.) para dar sustentabilidade ao desenvolvimento de agroindústrias no interior do Estado (justamente o contrário do que diz há muito tempo a propaganda governamental).

O que está descrito acima é apenas e tão somente a largada para uma série de publicações que o blog começa hoje, com base nos documentos que recebeu. Eles mostram de forma clara o descalabro com que o dinheiro público vem sendo tratado na Afeam, a agência que deveria fomentar o desenvolvimento, mas na verdade é um sorvedouro de recursos do contribuinte, que se limita a distribuir dinheiro com critérios políticos, tanto para pequenos como grandes maus pagadores.