"Bonzinho", Amazonino Mendes reúne prefeitos e discute melhorias para o interior do Amazonas - Fato Amazônico


“Bonzinho”, Amazonino Mendes reúne prefeitos e discute melhorias para o interior do Amazonas

Diz o antigo e sábio ditado popular que “quando a esmola é demais o santo desconfia”. Nem mesmo começou o ano – não o ano de 2018 e sim o ano político – o governador Amazonino Mendes, de uma hora para outra, mudou,  e como se tivesse sido picado pela mosca  tsé-tsé, aquela que causa sono e uma espécie de esquecimento, ficou muito “bonzinho”, e passou a tratar os esquecidos prefeitos do interior do estado à pão de ló.

Na realidade, Amazonino nunca gostou ninguém, a não ser ele mesmo, o “caboco”, o negão, o nº 1. Durante toda a sua vida pública tratou “debaixo da chibata” não só os prefeitos do interior do estado, olhado por ele como cidadãos de segunda classe, mas todo e qualquer ser vivente a lhe importunar a vida.

Que digam Manoel Ribeiro, Nonato Oliveira, Wilson Alecrim e o ex-bancário e ex-deputado José Cardoso Dutra.

Reunir com prefeitos num sábado, quase sempre reservado para uma boa pescaria na companhia do ex-governador José Melo, que ia atrás do peixe enquanto jogava dominó com o cinegrafista Barão, o repórter Marcelo Dutra, o Panjoca e o Amazonas,  ou então ouvir o Zezinho cantar “Não chore por mim Argentina”, nunca esteve nos planos de Amazonino Mendes.

Receber um  prefeito em audiência era preciso que o mesmo comparecesse de pires nas mãos o não tinha conversa muito acordo.

Mas neste sábado, 14, Amazonino Mendes reservou o seu sábado para um encontro pra lá de suspeito com 53 prefeitos com o pretexto de dar andamento – olha só a linguagem – na formatação dos convênios que serão firmados entre as prefeituras municipais e o Governo do Estado.

Em outras palavras, para anunciar que as cidade do interior do estado receberão investimentos de aproximadamente R$ 500 milhões para os setores de infraestrutura, mobilidade, educação, segurança, saúde e setor primário, entre outras áreas.

Muito bonzinho o Negão em ano eleitoral. E veja o que diz para 53 prefeitos ansiosos por um quinhão do governo para melhorar a desgastada imagem junto aos munícipes:

“Neste momento, a gente faz o segundo encontro com os colegas prefeitos com muita alegria no coração porque vamos discutir a forma e a maneira dos recursos dos convênios. Cada prefeito vai dizer e nós vamos formatar o convênio junto com a Procuradoria  Geral do Estado (PGE).  Não é bonitinho.

Deixa passar as eleições e todos verão se o tratamento será o mesmo ainda que consiga se reeleger como sonha governador do Amazonas.

Durante o encontro, na Secretaria de Estado da Fazenda do Amazonas (Sefaz-AM), Amazonino Mendes disse que a iniciativa da parceria entre governo e prefeitura é para corrigir o estado de abandono deixado pelas gestões anteriores.

Aos 53 prefeitos,  Amazonino disse ter compromisso muito firme com o interior que, segundo ele,  ficou relegado em segundo plano durante muito tempo.  Amazonino nunca falou tanta verdade. Apenas esqueceu de dizer que o abandono começou por ele mesmo, que entregou geradores de energia e não viabilizou meios para que o pobre homem do campo tivesse poder aquisitivo para manutenção dos mesmos como, por exemplo, a compra do óleo diesel.

Bom, pelo menos em ano eleitoral, o interior é lembrado para o bem de tanta gente sofrida e esquecida pela ausência do poder público.

De acordo com o governador, neste ano de eleição o governo reservou R$ 152,3 milhões, via recurso do Banco do Brasil,  para convênios com as prefeituras do interior do estado  voltados às áreas de infraestrutura, saneamento e abastecimento, educação e produção rural, de R$ 367,9 milhões para as obras   para recuperação do sistema viário urbano de 51 cidades. 

Tanta bondade vinda de Amazonino Mendes só é possível mesmo em ano eleitoral.