Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Aproximadamente 70 pessoas, entre crianças, adolescentes e adultos, participaram ontem, na Praça Marrida, Colônia Terra Nova, zona Norte, das atividades oferecidas pelo programa Brincando na Rua, mantido pela Prefeitura de Manaus, por meio da Secretaria Municipal de Juventude, Esporte e Lazer (Semjel).

Iniciadas às 8h, as brincadeiras, como pula corda, futebol de travinha, elástico, xadrez, perna de pau, bambolê e queimada, citando algumas, seguiram até meio-dia, proporcionando uma manhã de muita diversão aos moradores, que solicitaram o serviço por meio de ofício enviado à Semjel.

De acordo com a coordenadora do programa, Keicyane Angelim, o clima agradável colaborou bastante para que a realização das atividades contasse com uma participação expressiva dos moradores. “Após algumas edições do programa em bairros da zona Leste, demos inícios a uma nova etapa do Brincando na Rua aqui na zona Norte. Hoje fomos surpreendidos por este clima agradável, ventilado, que colaborou significativamente para que pessoas de todas as idades pudessem acompanhar as atividades. Só tenho a agradecer a comunidade pela receptividade”, frisou.

Pai dos gêmeos Gustavo e Gabriel, de quatro anos, o autônomo Guilherme Morais, 30, citou a importância das atividades proporcionadas pelo Brincando na Rua. “Meus filhos estão aqui desde cedo. É muito bom ver essa criançada reunida, praticando atividades saudáveis. Agradeço a Prefeitura de Manaus por olhar por nós, pois solicitei essa edição para o meu bairro e tivemos o nosso pedido atendido em tão pouco tempo”, declarou Guilherme.

Ao final da recreação, os comunitários prepararam um lanche aos participantes para que a interação entre eles continuasse. “Muitas vezes, por conta das obrigações do dia a dia, acabamos perdendo essa aproximação com os vizinhos e até mesmo com os nossos familiares. Esse momento foi único, de muita alegria e descontração. Espero que a partir desse exemplo possamos ser mais unidos e busquemos sempre o melhor para o nosso bairro”, concluiu a industriária Marta Pinto, 27, mãe de Rafaella, de seis anos.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •