CALOTE ELEITORAL: Policiais militares se reúnem na quarta-feira para avaliar proposta de trocar GTE por promoções -Veja o vídeo - Fato Amazônico

CALOTE ELEITORAL: Policiais militares se reúnem na quarta-feira para avaliar proposta de trocar GTE por promoções -Veja o vídeo

Quem pensa que a ameaça de greve dos policiais militares acabou, está muito engando. Na quarta-feira (6), a União das Entidades Representativas de Classe da Polícia Militar e Bombeiros Militar estarão reunidas para buscar uma solução plausível para a data base e as promoções (Lei dos Praças). A reunião será realizada às 14h, na sede da Associação dos Cabos e Soldados da PM e lá os policiais irão discutir a proposta da Associação dos Praças do Estado do Amazonas (Apeam) de extinguir com o pagamento da Gratificação de Tropa Extraordinária (GTE), uma espécie de hora extra paga aos PMs, em troca das mais de 2200 promoções. Caso os PMs, achem que cobrir um santo (promoções) para descobrir outro, ou seja o fim da GTE, não seja viável, eles deverão sair do encontro com uma nova proposta para ser levada ao governador José Melo, que já deixou claro em várias entrevistas que o estado não tem dinheiro e deverá rejeita-la, o que poderá acabar numa paralisação na área da segurança pública.

O impasse das promoções ocorreu, depois que o governador José Melo, disse em reunião com a categoria que o estado está “quebrado”, sem dinheiro e não teria como realizar as promoções e a data base dos policiais militares. E de acordo com os representantes das entidades, as promoções foram prometidas por ele (Melo) na campanha de reeleição ano passado, que levou os PMs na manifestação realizada na semana passada, juntamente com os professores a afirmarem que o chefe do executivo aplicou neles um “calote eleitoral”.

Mas, enquanto a Apeam quer trocar a GTE pelas promoções, se depender do sargento Pereirinha, presidente da Associação dos Sargentos, Subtenentes e Oficiais de Administração da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros Militar do Amazonas, o decreto que regulamenta a Gratificação de Tropa Extraordinária, não será extinto.

“Não sou a favor de nos tirar um direito já garantido (GTE) em Lei. Por isso faremos de tudo para manter o que já temos e ganhar o que é nosso de direito”, disse Pereirinha, em uma gravação enviada via whatsapp aos policiais militares, onde afirma ser contra negociar a data base as promoções com a GTE.

Deputados convidados

Para a reunião, os praças resolveram convidar os deputados estaduais Cabo Maciel (PR) e Platiny Soares (PV). De acordo com os policais, o primeiro (Maciel) depois de reeleito para a Assembleia Legislativa do Estado, desapareceu, o segundo (Platiny) esteve presente na manifestação do dia 28 do mês passado, mas não era mais o mesmo de abril do ano passado quando liderou a paralisação da categoria, dessa vez, como integra a bancada do governador José Melo, na Aleam, não subiu ao carro de som para falar aos policiais.

Lei utilizada na campanha por Melo

Na reunião, os praças irão deliberar a respeito das propostas do governador José Melo (PROS), acusados por eles de dar em todos um “calote eleitoral”, quando sancionou a Lei dos Praças (promoções) e garantiu a data base aos policiais militares, mas alegando que o estado está “quebrado” não cumpriu as promessas.

De acordo com discurso do presidente da Associação dos Praças do Estado do Amazonas (Apeam), soldado Gerson Feitosa, no dia 28 do mês passado na manifestação dos policiais militares, a Lei dos Praças foi criada pelo próprio governo, de cima de um carro som ele disse: “Construímos uma Lei que foi estruturada e pensada dentro do Palácio do Governo. Assinamos um ato de promoção que não existe e as associações de Praças foram feitas no mínimo de palhaças”, disparou, afirmando que a criação da Lei foi utilizada amplamente na campanha de reeleição de José Melo, para trazer os praças para o lado do governo.