Para prevenir situações de abuso e exploração de crianças e adolescentes no Carnaval, o Serviço de Abordagem Social Girassol, do Núcleo de Assistência a Criança e Família em Situação de Risco (NACER), realizará ações de conscientização e fiscalização durante o período da folia momesca em Manaus.

As atividades começam nesta sexta-feira (15/02), às 16h, com o Bloco Girassol Folia, que percorrerá as principais ruas do Parque Dez, Zona Centro-Sul da capital, levando informação sobre como prevenir e denunciar possíveis casos de violação de direitos da população infanto-juvenil.

A ação será promovida em parceria com o Conselho Tutelar, o Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) do bairro da União e o Projeto Tchibum. Além disso, gestores de escolas da região serão convidados a participar.  Segundo a assistente social do Girassol, Rosiane Menezes, o bloco deve reunir cerca de 60 pessoas que trabalharão na orientação do público.

 “Durante o período do Carnaval, tornam-se comuns casos de consumo de álcool e drogas por adolescentes, abuso e exploração sexual de menores e exploração do trabalho infantil. Com essa ação, pretendemos alertar a sociedade sobre a importância de se envolver e não fechar os olhos para estas situações”, explica Rosiane.

A campanha do Serviço de Abordagem Social Girassol continuará com a presença de uma unidade móvel nas principais bandas e blocos da cidade. Na oportunidade, serão distribuídos crachás de identificação de menores, contendo nome, filiação e contato do responsável.

A equipe de abordadores sociais também fiscalizará o cumprimento da portaria 001/2019-GJ / JIJI, que regulamenta a entrada, permanência e participação de crianças e adolescentes nos locais de festas e nos desfiles das escolas de samba de Manaus. Entre as regras estabelecidas, está a proibição da entrada e permanência de crianças menores de cinco anos em bandas e blocos carnavalescos, em locais públicos ou privados, mesmo que acompanhadas dos pais ou responsáveis.

“É necessário que pais e responsáveis verifiquem se o ambiente a qual estão expondo os pequenos é adequado para a idade. As crianças podem curtir a folia, desde que seja garantida sua saúde e segurança. Além disso, recomendamos a identificação através de crachás, para facilitar a localização caso o menor se perca. Outra medida que pode ser tomada é o estabelecimento de pontos de encontro no local”, orienta a assistente social.

Ainda serão observadas situações de exploração da mão de obra infanto-juvenil. “Conversaremos com os ambulantes com o intuito de sensibilizá-los. Se não houver acordo, entraremos em contato com o Conselho Tutelar, que é o órgão responsável, para que as medidas cabíveis sejam tomadas”, complementa Rosiane.