Integrantes da Comissão de Combate ao Assédio Moral na Universidade Federal do Amazonas (Ufam) pediram ao Ministério Público Federal no Amazonas (MPF/AM) que acompanhe os processos de apuração de supostas irregularidades cometidas contra servidores e estudantes da instituição. O requerimento foi apresentado em reunião na Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão (PRDC), no último dia 11.

O grupo de 14 professores da Ufam, apresentou relatos de casos em que eles consideram ter havido conduta abusiva por parte da administração da instituição e pediram o apoio do MPF também como meio de formalizar denúncias de assédio moral sem sofrer represálias por parte dos denunciados. Segundo eles, as denúncias têm sido feitas ao órgão competente dentro da estrutura da universidade, mas nenhuma providência foi adotada em relação aos casos denunciados.

O procurador regional dos Direitos do Cidadão, Patrick Menezes Colares, ressaltou que cabe ao Ministério Público combater qualquer tipo de tentativa de negação de direitos assegurados pela Constituição Federal e por outras leis federais e afirmou que, a partir desse primeiro diálogo, o MPF/AM passará a acompanhar, junto à instituição, o tratamento dispensado a esses casos.