Comunidades do Tupé receberão qualificação do segmento turístico - Fato Amazônico

Comunidades do Tupé receberão qualificação do segmento turístico

Uma equipe formada por profissionais e acadêmicos realizou na última quarta-feira 30, uma visita técnica às comunidades da Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) do Tupé. O trabalho visou um levantamento de perfil e necessidades de capacitação para a realização de cursos voltados à qualidade do atendimento turístico na região, que receberá grande fluxo de turistas especialmente durante a Copa do Mundo. Os cursos começam dia 15 de maio.

A ação é parceria entre a Escola de Servico Público Municipal (ESPI), órgão vinculado à Secretaria Municipal de Administração, Planejamento e Gestão (Semad), Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult) e Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas). Serão promovidas três oficinas de qualificação: Formatação de Roteiros Turísticos, Aprendendo a Empreender e Manipulação de Alimentos. Os cursos começam dia 15 de maio.

A visita também objetivou traçar as demandas e peculiaridades do público-alvo dos cursos, que vão beneficiar cerca de 40 comunitários e permissionários da Praia do Tupé, sob a coordenação da ESPI. A Diretora do Departamento de Educação e Aperfeiçoamento da Escola, Jeânia Bezerra, acompanhou a visita, verificando a diversidade. “Cada comunidade tem suas características e diferentes especialidades turísticas, portanto é preciso conhecer cada uma, suas potencialidades e os aspectos que necessitam ser desenvolvidos nos cursos”, afirmou.

Turismo sustentável

“A expectativa é proporcionar maior qualidade ao atendimento ao turista e levar a comunidade a se sentir cada vez mais engajada no desenvolvimento sustentável da região”, observou a Diretora de Infraestrutura e Qualificação Turística da Manauscult, Márcia Guimarães, para quem a capacitação é um meio essencial para o desenvolvimento sustentável, que envolve um tripé formado pelas áreas sociocultural, econômica e ambiental.

A Diretora do Departamento de Áreas Protegidas da Semmas, Socorro Monteiro, orientou a visita, apresentando cada comunidade, bem como moradores e atrações turísticas. “Conhecer essa realidade tem fundamental importância, uma vez que se fortalecem as parcerias, que vão aprimorar o atendimento ao turista na Reserva e, por meio da capacitação, levar o morador a perceber o turismo como fonte de renda”, ressaltou Socorro.

Moradora da Comunidade Julião, Maria Santos está ansiosa pelos cursos, que, para ela, serão muito importantes para sua atuação na produção de artesanato e doces regionais. “Pretendo participar de todas as oficinas, porque é sempre bom aprender mais para aprimorar os conhecimentos que já temos”, contou.

A previsão de início é dia 15 de maio. As aulas serão realizadas na Escola Municipal São José I, situada na Comunidade do Livramento, a mais desenvolvida e populosa das comunidades, com 320 famílias. Além desta, mais cinco comunidades participarão: São João do Tupé, Tatu, Central, Agrovila e Julião.