O volume de gás natural comercializado no Amazonas aumentou 14% em janeiro, em comparação com o mês anterior. Foram distribuídos 4.158.926 m³/dia para termoelétricas, indústrias, comércios, postos de combustível e residências, que somam 184 unidades consumidoras. No mesmo período, o crescimento registrado no segmento comercial foi de 31%.
Com a oferta do gás natural nas regiões do conjunto Vieiralves e do bairro Adrianópolis, na zona centro-sul, estabelecimentos como restaurantes, lavanderias e hotéis impulsionaram o consumo para 1.892 m³/dia em janeiro. São 54 empreendimentos em operação com o combustível, que proporciona economia aproximada de 40%, além da praticidade de um fornecimento contínuo, via gasoduto.
Há quase dois anos usufruindo do gás natural, o proprietário da Lavanderia Atlanta, localizada na rua Pará, no Vieiralves, Michel Arakian, relatou que o benefício vai além da economia ao negócio. “O gás natural vem mais limpo, agride menos as fibras das roupas. O custo-benefício passou a ser maior”, disse. Na lavanderia, o gás é utilizado em secadoras.
O segmento industrial, composto por 40 empresas, segue como maior consumidor do mercado não termelétrico do Estado do Amazonas, tendo registrado em janeiro o volume de 94.641 m³/dia. Nos postos, o consumo de Gás Natural Veicular (GNV) no período totalizou 11.157 m³/dia, enquanto nas residências o volume comercializado foi de 50 m³/dia.
Expansão – As obras da Cigás para expansão da rede de distribuição continuam em andamento e a previsão para os próximos meses é interligar mais 759 unidades consumidoras, entre elas residências (em condomínios verticais), comércios e indústrias.
 
Gás Natural em Coari – A Usina Termoelétrica de Coari recebeu, na semana passada, inspeção operacional e testes da linha interna e da estação, que já está pressurizada para o consumo do gás natural. A usina possui capacidade de abastecimento para 143 mil m³/dia e deverá entrar em operação após etapa de testes.