O Fato Amazônico teve acesso com exclusividade a uma planilha que mostra os números do contrato do Tribunal de Justiça do Amazonas com a Softplan, empresa responsável pelo Sistema de Automação da Justiça (SAJ), onde se pode ver que em 5 anos houve um reajuste de aproximadamente de 200%. Em 2008, na gestão do desembargador Hosannah Florêncio de Menezes, eram pagos por 12 meses aos catarinenses a importância de R$ 1.750.120,00. Mas esses números na administração de João Simões, em 2012 chegaram a R$ 4.886.200,00, aumentando mais de R$ 3 milhões com a especializada em sistemas de gestão, que é de Santa Catarina.

Os contratos com a empresa catarinense começaram a subir na administração dos desembargadores Domingos Jorge Chalub e João Simões, de 2009 a 2012.

O Tribunal de Justiça tem um contrato com a Softplan desde 2001 e a Justiça Amazonense é a que paga mais caro a empresa catarinense pelo SAJ, que é usado apenas na capital amazonense.

Os números só começaram a baixar, conforme o gráfico em anexo, na administração do desembargador Ari Moutinho que em seu primeiro ano de mandato conseguiu reduzir de R$ 4.886.200,00 para R$ 4.628.304,12 e no segundo de R$ 4.628.304,12 para R$ 3.962.508,96.

No seu primeiro ano, Ari não conseguiu diminuir muito o contrato com a empresa catarinense, conseguiu uma redução de aproximadamente R$ 258 mil. No segundo a redução foi maior cerca de R$ 660 mil.

O que o SAJ ?

O SAJ – Sistema de Automação da Justiça está na vanguarda quando o assunto é informatização e gestão de informações para a Justiça. Com 17 anos de desenvolvimento e constante evolução, passando por cinco ciclos de tecnologia, o sistema incorpora facilidades para a automatização das rotinas jurisdicionais e administrativas que asseguram excepcionais ganhos de produtividade e otimização dos recursos de Tribunais de Justiça, Ministério Público e Procuradorias.

Desenvolvido em parceria com sete tribunais de justiça estaduais, os quais representam, em conjunto, mais de 60% dos processos que tramitam na justiça estadual brasileira, o SAJ contribui para a formação de novos paradigmas, buscando uma prestação jurisdicional ágil e acessível, que aproxima o cidadão e o judiciário.