Sucesso por onde passa, o Corpo de Dança do Amazonas (CDA) inicia sua temporada 2017 aterrissando no palco da Caixa Cultural Fortaleza (Praia de Iracema, no Ceará), de 9 a 12 de fevereiro, com os espetáculos "Cabanagem", de Mário Nascimento; "Milongas", de Monique Andrade; e "A Sagração da Primavera", de Adriana Góes e André Duarte.

As apresentações fazem parte do projeto "Um Norte que Dança", desenvolvido pelo Casarão de Ideias, com apoio do Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Cultura. Com o objetivo de promover intercâmbio cultural entre os bailarinos e divulgar a produção artística do Amazonas, o projeto foi contemplado pelo Edital CAIXA Cultural

Segundo João Fernandes, diretor do Casarão Cia de Ideias “Um Norte que Dança” é um primeiro ensaio na perspectiva de promover aquilo que está sendo produzido culturalmente no Amazonas, para que todos possam conhecer um pouco mais sobre a Amazônia e suas produções culturais. “Estivemos ano passado em Recife com o ‘Um Norte que Dança’ e foi uma experiência fantástica. É muito gratificante poder apresentar um pouco da nossa cultura e produções para diferentes públicos”, ressalta

De acordo com o secretário de estado de Cultura, Robério Braga, a iniciativa do Casarão de Ideias deve ser um exemplo a ser seguido. “É fundamental para o desenvolvimento cultural o engajamento de toda a sociedade. A participação e a construção coletiva é o melhor caminho para resultados sólidos. Foi partindo deste princípio, que as ações desenvolvidas ao longo dos anos pela secretaria de Cultura, sempre estiveram pautadas no diálogo e na parceria com as classes artísticas”, explica.

Espetáculos – Com coreografia de Mário Nascimento, “Cabanagem” retrata a revolta popular na qual negros, índios e mestiços insurgiram contra a elite política na Região Norte do Brasil. O espetáculo apropria-se da essência da revolta popular e utiliza da sua linguagem para traduzir o espírito de resistência, de luta e de preservação das culturas. A coreografia tem como embasamento as obras ‘Uma breve história do Amazonas’, de Márcio Souza, e ‘No País das Amazonas’, de Marilene Corrêa.

Já o espetáculo "Milongas", de Monique Andrade, ressalta a contemporaneidade dos estilos, unindo o tango com o eletrônico e a dança de salão com a dança contemporânea, sem perder a essência das milongas, estilo que surgiu na Espanha, no fim do século 19.

E "Sagração da Primavera" do CDA é inspirado na obra Vaslav Nijinsky, com música de Igor Stravinsky. A peça retrata a visão fugaz de um ritual pagão eslavo no qual uma jovem dança até a morte, como oferta ao Deus da Primavera. Os coreógrafos Adriana Góes e André Duarte retiraram a obra do seu contexto inicial e fizeram uma releitura imersa na cultura indígena.

Palestra – Após as apresentações, serão realizadas palestras com o tema ‘Processos de criação do Corpo de Dança do Amazonas’, com diretor do CDA, Getúlio Lima.