Rapel e outras técnicas de operações em aeronaves foram utilizadas ontem (24/10) durante a segunda fase do curso de Operações Especiais, comandado pela Companhia de Operações Especiais (Coe), um grupo de elite da Polícia Militar do Amazonas (PMAM). O treinamento ocorreu com o suporte operacional do Departamento Integrado de Operações Aéreas (Dioa) da Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM).

A formação dos policiais de elite é divida em quatro partes, sendo a última a participação em operações. Nesta quarta, o treinamento fez parte da segunda fase, no módulo de Operações Aéreas, com apoio do Dioa. Os voos foram realizados em dois locais, na área do Aeroclube, no bairro Parque das Laranjeiras, zona centro-sul de Manaus, e na Ponta Negra, zona oeste. 

Os policiais alunos aprenderam técnicas de rapel em aeronave, tiro real embarcado e execução e infiltração em ambiente aquático com a técnica do “Helocasting” – uma manobra típica de Operações Especiais em que os policiais se lançam sobre a água com a aeronave a baixa altura e em movimento.

O curso tem duração de 120 dias, começou no dia 25 de agosto com 66 policiais militares de 15 organizações diferentes, incluindo policiais civis e militares do Amazonas. Restam 14 policiais de oito Estados. “O curso de Operações Especiais é muito intenso e o nível de desistência é alto, em torno de 80% em qualquer lugar do Brasil”, explicou o comandante da Coe, capitão PMAM Laércio Ardnt. “Saímos de uma fase rústica e estamos encerrando a fase técnico-policial, que inclui a parte de Choque, cavalaria, canil e agora o emprego da aeronave, que segue até a próxima semana”, completou.

Este é o segundo curso de Operações Especiais promovido no Amazonas para especializar agentes das forças de segurança locais e de outras Unidades da Federação. Ao fim de quatro meses, os policiais e bombeiros passam a conhecer as técnicas de todas as unidades policiais e dominar o gerenciamento de crise e as alternativas táticas, como a invasão tática e o tiro de precisão. “Por necessidade de aperfeiçoamento, enviamos muita gente para formação em outros Estados. Mas por decisão do governo, começamos a preparar este desde o final do primeiro semestre”, afirmou o capitão da Coe.

Participam do curso junto a COE a Secretaria de Segurança Pública, Polícias Civil e Militar, Corpo de Bombeiros Militar do Amazonas (CBMAM) e Forças Armadas. Dos 14 alunos que continuam, há seis do Amazonas, dois do Acre, dois do Mato Grosso e o restante do Amapá, Tocantins, Rio Grande do Norte e Santa Catarina. Ao fim do curso, os alunos participarão de operações no Alto Solimões, em Maués e em São Gabriel da Cachoeira.

Apoio operacional – O helicóptero utilizado na quarta-feira foi o Águia 02, um helicóptero modelo AS 350 B3+. “A Companhia de Operações Especiais solicitou apoio para realizar instruções práticas em aeronave. Estamos empregando um helicóptero multi missão, capaz de atender ocorrências policias, salvamento, resgate e defesa civil”, afirmou o tenente-coronel Helliton Silva, piloto e comandante do Dioa.