Depois da paralisação dos PMs, professores fazem manifestação em frente a sede do governo por melhores salários - Fato Amazônico

Depois da paralisação dos PMs, professores fazem manifestação em frente a sede do governo por melhores salários

As coisas não andam bem para os lados da sede do governo do estado, localizado no bairro da Compensa, Zona Oeste de Manaus. Ontem o clima por lá foi tenso por conta da paralisação dos policiais militares, na manhã desta terça-feira outra manifestação agitou o clima na sede. Desta vez, um grupo de professores se reuniu em frente onde os manifestantes reivindicavam melhorias salariais para a categoria.

A paralisação foi coordenada pelo Movimento de Luta dos Professores, que tem a frente Lambert Willian Melo, que coordena a paralisação de advertência na capital. Ele garantiu que o protesto será mantido por tempo indeterminado.

"Nos estamos fazendo um ato público exigindo sermos recebidos pelo governador para apresentar nossas pautas de reivindicação. As declarações do Sindicato não nos incomodam. Isso demonstra, claramente, que o sindicato está à serviço do governo e não à serviço dos professores. É um sindicato que não defende mais os nossos trabalhadores", disparou Lambert Melo.

Enquanto os professores estavam em frente a sede do governo, outros promoveram um protesto em frente à Escola Estadual Sólon de Lucena, na Zona Centro-Sul. De acordo com os manifestantes as aulas estão suspensas até amanhã.

De acordo com informações da Secretaria de Educação do Amazonas as aulas na unidade de ensino estão mantidas. Os professores querem reajuste salarial conforme a data-base estipulada para o dia 1º de maio.