Desaparecimento de homens no Sul do Amazonas, trouxe a tona o descaso das autoridades na região, onde desde 2006 índios cometem crimes - Fato Amazônico




Desaparecimento de homens no Sul do Amazonas, trouxe a tona o descaso das autoridades na região, onde desde 2006 índios cometem crimes

O desaparecimento de três homens desde o dia 16 de dezembro na área da reserva Tenharim, na BR-230 (Transamazônica), em Humaitá, no Sul do Amazonas, trouxe a tona que há tempos os índios, que cobram pedágios de maneira irregular, estão cometendo crimes na região. Mas as autoridades, fecharam os olhos e só abriram quando a população revoltada, com o descaso da Polícia Federal, Fundação Nacional do Índio e outros órgãos, com o desaparecimento de Luciano Freire, Aldeney Salvador e Stef Pinheiro, foram as ruas de Humaitá em dezembro e atearam fogo em tudo que era relacionado aos indígenas e mortes não ocorreram porque índios, que estavam na cidade, conseguiram abrigo no quartel do Exército.

A prova de que os índios da região estão cometendo crimes há tempos aos olhos das autoridades, esta em uma reportagem publicada do jornal Diário da Amazônia, de 6 de março de 2006, onde relata a que em fevereiro do mesmo ano, o caminheiro Jafre Rangel, teve seu caminhão interceptado na altura do quilômetro 120, da BR-230, na rodovia Transamazônica, por índios da Etnia Tenharim Marmelo.

Na matéria o caminheiro afirma que os índios ficaram revoltados por ele ter negado uma carona e respaldados por uma assembléia tribal, eles resolveram apreender o caminhão Mercedes Benz, de placas 1519, e só devolvê-lo depois do pagamento de R$ 10 mil de resgate.

No relato da matéria o caminhoneiro afirma, ter sido liberado pelos índios, mas seu caminhão ficou preso na aldeia, diz que procurou apoio na Funai e Polícia Federal, mas não teve.

De acordo com relatos da vítima a época, ao sair da aldeia, registrou ocorrência na 8ª Delegacia Regional de Polícia, em Humaitá, no Amazonas. Lá, os policiais orientaram-no a procurar a Funai e a Polícia Federal em Porto Velho. Na Fundação Nacional do Índio, Jafre, foi informado que este caso não seria resolvido pelo órgão, ele teria que procurar a Justiça para obter o seu caminhão de volta.

Na Polícia Federal, em Porto Velho, o caminhoneiro relata, que não foi dada muita importância para o fato, mas teve a informação de que teria que procurar a Justiça Federal no Amazonas.

Desaparecidos

O professor Stef Pinheiro de Souza, o funcionário da Eletrobras Amazonas Energia (da Agência do Distrito de Santo Antônio do Matupi) Aldeney Ribeiro Salvador e Luciano da Conceição Ferreira Freire, desapareceram no quilômetro 85 da BR-230, Rodovia Transamazônica, em trecho situado entre os municípios amazonenses de Humaitá e Manicoré.

Segundo informações extraoficiais, há testemunhas que dizem terem visto cerca de 40 indígenas empurrando um carro com as mesmas características do qual viajavam as três pessoas, para dentro da aldeia por volta das 9h30 do dia 16 de dezembro do ano passado.