O desembargador Djalma Martins da Costa, do Tribunal de Justiça do Amazonas, acaba de decretar a prisão preventiva do prefeito de Coari, Adail Pinheiro, e mais seis acusados de integrarem uma rede de pedofilia. Ele acatou o pedido do procurador geral de Justiça, Francisco Cruz, que no final da manhã desta sexta-feira protocolou nova denúncia contra o chefe do executivo e pediu a preventiva.

Djalma Martins, é o relator do processo que começou a tramitar hoje no Tribunal, em segredo de Justiça, por ter crianças e adolescentes envolvidos, que seriam vítimas da rede de pedofilia supostamente comandada por Adail Pinheiro e outros integrantes de uma quadrilha que atua em Coari e Manaus.

Para formalizar o pedido de prisão de Adail Pinheiro e mais outras pessoas acusadas de envolvimento com a rede de pedofilia, que seria comandada pelo prefeito de Coari, Francisco Cruz, tomou como base investigação feita pelo Centro de Apoio e Combate ao Crime Organizado (Caocrimo), que ouviu em Manaus e no município de Coari garotas que relatam terem sido vítimas de exploração sexual.