Dia de Campo apresenta resultados de produção de café em Silves - Fato Amazônico


Dia de Campo apresenta resultados de produção de café em Silves

O Instituto de Desenvolvimento Agropecuário e Florestal Sustentável do Estado do Amazonas (Idam), está apoiando o dia de campo que será realizado em parceria com a Embrapa Amazônia Ocidental, no dia 11 de maio em Silves, na Associação Solidariedade Amazonas (ASA), localizada no km 77 da AM 363.

O cultivo de café vem ganhando espaço na Região Norte, especialmente em Rondônia, onde a produção cresce anualmente. Para testar a cultura no Amazonas, a Embrapa implantou uma Unidade de Referência Tecnológica (URT), no município de Silves (AM), com plantio de café – variedade Conilon – BRS Ouro Preto, para avaliar o desempenho nas condições do estado. Os resultados do segundo ciclo de produção da URT serão apresentados no Dia de Campo ‘A Cultura do Café no Amazonas’.

O objetivo é divulgar os resultados parciais da URT em seu segundo ciclo de produção, visando orientar e transferir aos agricultores, técnicos, dirigentes públicos e demais agentes envolvidos na cadeia produtiva do café, informações sobre as perspectivas da cultura e sobre seu potencial na região.

Promovido pela Embrapa Amazônia Ocidental, Embrapa Rondônia e Associação Solidariedade Amazonas, o Dia de Campo conta com apoio do Idam e das prefeituras municipais de Silves, Itapiranga e Itacoatiara, e patrocínio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam). O objetivo é divulgar os resultados parciais da URT em seu segundo ciclo de produção, visando orientar e transferir aos agricultores, técnicos, dirigentes públicos e demais agentes envolvidos na cadeia produtiva do café, informações sobre as perspectivas da cultura e sobre seu potencial na região.

A cafeicultura como alternativa de renda para os pequenos agricultores

A ideia de implantação URT de café partiu dos agricultores da ASA – Associação Solidariedade Amazonas, que procuraram a Embrapa em busca de tecnologias sustentáveis para produção de café. A  ASA é formada por pequenos agricultores que residem na denominada ‘estrada da várzea’, principal região agrícola do município de Silves. Antes da implantação da unidade, estes agricultores já produziam café, mas, seu nível tecnológico não permitia alcançar grandes produtividades.

A proposta dos dirigentes da ASA é fomentar o plantio de pequenas áreas de café junto aos seus associados, para garantir maior renda às suas famílias e melhorar a vida no campo. Além da produção dos grãos, a associação também planeja criar uma marca para agregar valores ao seu produto que é produzido por agricultores familiares que produzem café em harmonia com a floresta amazônica.

A variedade Conilon – BRS Ouro Preto é uma cultivar de café, desenvolvida pela Embrapa Rondônia, de ciclo intermediário, com boas características agronômicas e agroindustriais para regiões de baixa altitude e alta umidade na Amazônia Ocidental. Lançada em 2013, apresenta potencial produtivo alto para a cultura do café no Amazonas, podendo ultrapassar 70 sacas/hectare em condições de sequeiro.

Segundo a equipe de pesquisadores da Embrapa que coordenam a URT, os resultados preliminares são promissores, abrindo perspectiva para uma nova alternativa de produção para o estado. “Na primeira safra comercial, colhida entre maio e junho de 2017, a média de produção da variedade ultrapassou as 60 sacas por hectare, e alguns clones se destacaram, produzindo mais de 80 sacas por hectare. A expectativa é que nesta safra alguns clones produzam acima de 100 sacas por hectare”, informa Raimundo Rocha, analista da Embrapa Amazônia Ocidental.

“O Idam tem um excelente relacionamento com a Embrapa, em função de sua experiência científica na área, e vai participar ativamente em todo o processo de valorização da cadeia produtiva do café nesta ação de Silves”, afirma Luiz Herval, diretor presidente do Idam.

Programação:

8h30 – Recepção e credenciamento

9h30 – Abertura

10h – Estação 1 – Relato de experiências na cultura de café (Roque Pereira Lins e Rosilque Mendes  de França)

10h30 – Estação 2 – Produção de mudas (Marcelo Curitiba Espíndula)

11h – Estação 3 – Implantação da lavoura de café (Denis Cesar Cararo)

11h30 – Estação 4 – Manejo da cultura de café (João Maria Diocleciano)

12h – Estação 5 – Coeficientes técnicos e análise da viabilidade econômica de produção de café (José Olenilson Costa Pinheiro)