Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Dois homens foram presos, em Manaus, na noite de ontem (07/07) durante a operação integrada Cavalo de Aço, realizada pela Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM). Houve barreiras policiais e incursões em bairros de todas as regiões da capital. Na Cachoeirinha, zona centro-sul, Rodolfo Pereira Fernandes, 21, foi preso em cumprimento a um mandado em aberto por roubo. Na Compensa, zona centro-oeste, Ruzenin Albuquerque Ferreira, 27, foi preso com cerca de dois quilos de Oxi.

A Polícia Militar, Polícia Civil e Secretaria Executiva Adjunta de Operações (Seaop) participaram da Operação, que foi comandada pelo titular da SSP, Coronel Anézio Paiva. O delegado geral da Polícia Civil, Mariolino Brito, e o delegado adjunto, Antônio Chicre, também conduziram os trabalhos, que ocorreram em diversos bairros simultaneamente. Na Comunidade da União, em Flores, o secretário de Segurança falou da importância das ações integradas em toda a cidade e disse que no bairro da União a intervenção policial reforçada ainda vai durar mais dias.

“Estávamos com investigações em andamento, para a prisão de elementos lá (na União), teve o confronto e a Polícia Civil e Militar deram resposta à altura. Estamos ocupando o bairro, as especializadas estão com barreiras fixas fazendo abordagens e incursões, intensificando o combate naquela área”, comentou o secretário de Segurança. Esta semana, dois homicidas foram presos no bairro, que está passando por operações diárias.

Ônibus do transporte coletivo, taxis, mototáxis e bares também foram vistoriados durante a operação policial. Levantamento da análise criminal da capital, considerando dados de furtos e roubos fundamentam a definição dos locais de montagem de barreiras e incursões, pontuou o delegado Mariolino Brito. A população pode contribuir com informações, de maneira sigilosa, fazendo denúncias através do telefone 181.

“Trabalhamos pelas manchas criminais, com base em Boletins de Ocorrência, levantando os fatos, analisando as das denúncias do 181, que é um termômetro da comunidade. Estamos indo aonde tem mais delitos para fazer o trabalho de impacto. Mas por trás deles, tem o trabalho de investigação, um trabalho precursor”, ressaltou.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •