Dupla acusada de latrocínio é presa temporariamente por policiais da DHS - Fato Amazônico


Dupla acusada de latrocínio é presa temporariamente por policiais da DHS

O segurança Adilho Gonçalves dos Santos, 38, e Emerson Igor de Araújo Sena, 21, acusado de latrocínio (roubo seguido de morte) que teve como vítima Renan Ferreira Ramos, 27 anos, morto dia 30 de abril deste ano, foram presos temporariamente por policiais do Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros.

De acordo com o delegado Jeff David Mac Donald, o delito ocorreu na casa onde Renan morava, na rua Duartina, conjunto Monte Sinai, bairro Cidade Nova, zona norte da capital. A dupla foi presa pela equipe da DEHS na tarde de quinta-feira (10/05), em bairros distintos de Manaus. Emerson foi localizado no bairro Coroado, zona leste. Já Adilho estava no bairro Alvorada, zona centro-oeste da cidade. No momento das prisões, os policiais civis recuperaram eletrodomésticos, aparelhos de som e uma televisão, roubados da vítima. Os objetos haviam sido distribuídos entre os infratores. 

“A princípio, o caso foi tratado como homicídio. No entanto, ao longo das diligências, constatamos que se tratava de latrocínio. Durante as investigações identificamos, a partir de imagens captadas por câmeras de segurança, o carro utilizado pelos infratores no dia do crime, da marca Chevrolet, modelo Celta. Testemunhas também nos ajudaram, repassando as características da dupla. Na tarde de ontem, localizamos o veículo em posse de Emerson, uma vez que o automóvel pertence à mãe dele. Na delegacia, ele confessou envolvimento no delito e indicou a localização do comparsa”, argumentou Mac Donald.

O titular da especializada explicou que, durante depoimento, Emerson relatou que no dia do crime foi convidado por Adilho para pegar uns objetos em uma residência. Na ocasião, ele conduziu o veículo até o local, onde permaneceu no carro e Adilho entrou no imóvel. Após alguns minutos, ele foi chamado por Adilho para recolher os objetos e colocá-los no automóvel.

“A vítima estava devendo dinheiro para um deles e iria pagar com os objetos. Emerson afirma que não praticou o delito e que a dívida era entre a vítima e Adilho. Já o segurança afirma o contrário. Então há essa contradição de ambos. Verificamos que a dupla no dia do crime chegou a travar luta corporal com a vítima, que veio a óbito no local, após ser enforcada com um fio elétrico”, revelou o delegado.

Indiciamento: Os mandados de prisão temporária, com prazo de cinco dias, foram expedidos quinta-feira (10/05), pelo juiz Eliezer Fernandes Júnior, no Plantão Criminal. Os infratores serão indiciados por latrocínio. A dupla ficará custodiada na DEHS por conta do Inquérito Policial (IP) instaurado em torno do caso.