Eletrobras Amazonas Energia finaliza obras da rede elétrica da Arena da Amazônia - Fato Amazônico




Eletrobras Amazonas Energia finaliza obras da rede elétrica da Arena da Amazônia

A Eletrobras Amazonas Energia encerra neste fim de semana, as obras da rede elétrica da Arena da Amazônia. O novo estádio de futebol de Manaus contará com dois circuitos alimentadores em tensão de 13.8 kV, os quais derivam das subestações de Seringal Mirim (localizado na Avenida Djalma Batista) e Redenção (localizada no bairro de mesmo nome).

Nesta semana, equipes técnicas realizam serviços de lançamento de vãos de rede e substituição de postes na rua Lóris Cordovil e na nova via que passa por trás da Arena. No total, estão sendo utilizados mais de cinco quilômetros de cabos para os novos circuitos de rede.

“Todos os serviços necessários para concluir as obras que vão suprir com energia elétrica a Arena da Amazônia foram devidamente comunicados com antecedência, conforme determina a legislação do setor elétrico. O encaminhamento das redes percorre trechos de grande fluxo e constante movimentação, o que obrigou a realização da maioria dos serviços somente aos fins de semana e feriados. Com isso, conseguimos evitar transtornos maiores e cumprir com os prazos das obras”, esclarece o diretor de Planejamento e Expansão da Eletrobras Amazonas Energia, Marcos Vinícius Nogueira.

Para o entorno da Arena, ainda serão efetuados serviços de retirada da rede aérea de energia elétrica que será deslocada para o outro lado da via nas avenidas Constantino Nery e Pedro Teixeira, deixando livre a fachada do estádio.

No trecho da nova rua que passa por trás da Arena, seguindo no sentido da Avenida Pedro Teixeira, a Eletrobras Amazonas Energia aguarda apenas a sinalização da empresa Andrade Gutierrez para a finalização desse espaço, que deve ocorrer até o fim deste mês.

Seguindo as orientações da Fifa (Federação Internacional de Futebol; sigla em inglês), a Eletrobras Amazonas Energia instalou dois circuitos de alimentadores de fontes diferentes de energia elétrica para atender a Arena da Amazônia. Em caso de uma possível falha do alimentador principal, o segundo atua imediatamente para assumir o suprimento de carga.

“Caso ocorra algum tipo de desligamento, teremos duas fontes diferentes para suprir ao estádio, além de contarmos também com um plano de contingência operacional, com equipes posicionadas estrategicamente para minimizar o tempo na recomposição do sistema”, enfatizou Marcos Vinícius.