Compartilhe
  • 42
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    42
    Shares

Mesmo cassado pela quarta vez do cargo de prefeito de Caapiranga Antônio Ferreira Lima, vulgo Pongó (PMDB), continua a chafurdar as contas públicas do município com saques indevidos, como pode ser comprovado no extrato conta corrente Banco do Brasil.

No dia 12 deste mês, Pongó voltou a perder a administração da Prefeitura de Caapiranga, depois que o desembargador Flávio Humberto Pascarelli, presidente do Tribunal de Justiça do Amazonas, reconheceu que os direitos políticos dele estão suspensos por condenação em ação de improbidade administrativa e suspendeu a liminar dada pelo desembargador Ernesto Anselmo Queiroz Chíxaro que tinha reconduzido o chefe do executivo ao cargo.

Na segunda-feira, dia 15, o juiz Glen Hudson Paulain Machado, da comarca foi notificado e emitiu ordem aos bancos para que a partir daquele data não fosse permitido qualquer saque das contas do município por Antônio Ferreira ou por qualquer pessoa por ele autorizado.

“Oficie-se, por e-mail ou oficial de justiça, aos Gerentes do Banco Bradesco – Agência Sefaz/Manaus e Agência Manacapuru, do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal da Comarca de Manacapuru/AM para que tenham ciência desta decisão e, a partir desta data, não permitam qualquer saque ou transferência de valores oriundos da(s) conta(s) bancária(s) do Município de Caapiranga/AM existente(s) nas respectivas agências bancárias, por ordem do Sr. Antônio Ferreira Lima ou qualquer outra pessoa por ele autorizada”.

Pongó não deu a mínima. Por ocasião do segundo afastamento o saque foi de R$ 600 mil; depois foi afastado pela terceira vez e mesmo assim sacou R$ 1,2 milhão e, agora, R$ 80 mil.

De acordo com Boletim de Ocorrência registrado pelo atual prefeito, Moisés Filho (PMDB), as pessoas que realizaram a movimentação dos recursos do Fundeb na semana passada, dia 16, segundo informação do Banco do Brasil, foram Antônio Ferreira Lima, prefeito cassado, e Jorge Silva da Costa, que é genro de Pongó e seu ex-secretário de finanças.

Dados não oficiais atestam que as transferências dos saques indevidos realizados pelo ex-prefeito são realizadas são para empresas “laranjas” de Pongó, como as empresas R. JAQUES DE OLIVEIRA – ME E TRANSPORTES CASSIANO LTDA (ligadas ao empresário de Manacapuru José Maria Bastos); KLETEN MAYRLA SOUZA – ME (casada com o primo da esposa de Pongó – Juliana Lima); GILBERTO D. MADDY – ME (casado com a Neta de Pongó); O. LIMA DE NAZARÉ – EPP (empresa do amigo da esposa de Pongó Juliana Lima).


Compartilhe
  • 42
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    42
    Shares