Em suposta conversa de whatsapp prefeito de Coari oferece secretaria em troca de R$ 150 mil, mas o assessoria fala em montagem - Fato Amazônico

Em suposta conversa de whatsapp prefeito de Coari oferece secretaria em troca de R$ 150 mil, mas o assessoria fala em montagem

O Fato Amazônico recebeu via email cópias de uma suposta conversa de whatsapp de uma telefone que seria do recém empossado prefeito de Coari, o empresário Raimundo Magalhães (PRB), onde ele troca mensagens com um empresário, que não tem o nome revelado, e pede R$ 150 mil emprestados para pagar uns advogados e oferece ao financiador uma secretaria de sua administração.

Na suposta conversa registrada ontem (22) no Cartório Abreu, localizado na Avenida Paraíba, em Adrianópolis, Zona Centro-Sul de Manaus, o prefeito manda ainda empresário escolher a secretaria, menos as de Obras, Saúde, Educação.

Nas mensagens, Magalhães, ainda diz que caso o empresário não queira nenhuma das secretaria pode fazer um contrato de aluguel de fachada do seu posto de gasolina e vender o combustível para a prefeitura.

Diálogo criado

"É um diálogo criado. Existem muitas falhas na conversa", disse por telefone ao Fato Amazônico, o jornalista Luiz Moraes, responsável pela assessoria do prefeito Raimundo Magalhães. "O Magalhães nunca negociou nada em relação ao posto de gasolina. Desde que ele entrou na disputa da prefeitura uma moça chamada Solange é quem toca as empresas desde a campanha", acrescentou.

De acordo com Moraes, Raimundo Magalhães, nunca pediu dinheiro de ninguém. "Graças a Deus ele (Magalhães) tem o suficiente e nunca negociou nenhuma secretaria. Nosso secretariado estava montado desde quando vimos que iríamos assumir a prefeitura", informou.

Luiz Moraes, disse que já solicitado uma perícia no material reconhecido no Cartório Abreu, que ele garante que será também acionado judicialmente. "Quando se vai reconhecer um documento você leva o original e se alguém foi ao cartório e reconheceu essa conversa de whatsapp teria de ter levado o telefone para comprovar que era uma conversa original", disse o assessor, informando que todas providências para provar de que tudo não passa de uma armação já foram tomadas.

"Já sabemos de onde partiu isso", afirmou Luiz Moraes, informando que o celular da Oi de Raimundo Magalhães, está sem whatsapp há mais de dois meses e o da vivo está com o segurança.