O governador José Melo (Pros) em coletiva na manhã desta quarta-feira antes da leitura da Mensagem Governamental na Assembleia Legislativa do Estado disse que a Umanizzare, empresa que administra seis unidades prisionais do estado, uma delas o Complexo Penitenciário Anísio Jobim, onde no primeiro dia do ano foram mortos 56 detentos, “é um modelo que sustenta as nossas penitenciárias”.

Umanizzare vai continuar gerindo os presídios do Amazonas. "Não existe um sistema mais barato que esse. Não temos outra escolha. A Umanizzare fica. Prorrogamos o contrato por mais um ano e depois faremos uma licitação para a escolha de novas empresas", disparou o governador ao ser questionado pelos jornalistas.

O governador disse que já conversou com o Ministério Público, com o Tribunal de Contas e com os órgãos de controle externo. “Vamos fazer uma nova licitação para aprimorar o sistema”, acrescentou, afirmando ter dito aos órgãos que não tem pronto um modelo que possa continuar controlando o sistema penitenciário.

Apesar do Ministério Público de Contas, órgão ligado ao TCE afirmar que o custo mensal por preso é de R$ 4.709,78, valor quase o dobro do que se paga na maioria dos presídios brasileiros, onde a gestão é feita pelo próprio Estado, o governador José disse que é mais barato.

Asfaltamento da BR 319

O governador disse que desta vez sairá o asfaltamento da BR-319 (Manaus/Porto Velho). De acordo com Melo desta vez os órgãos ambientais estão do lado do governo e que cuidará da preservação de área da estrada onde fica, segundo ele, um berçário rico em biodiversidade da região. Mas ele não disse quando as obras da rodovia devem iniciar e nem quando encerrarão.

"O trecho do meio da BR-319, com 400 quilômetros é onde fica a maior biodiversidade em animais silvestres daquela região. Lá é um verdadeiro berçário. Agredir aquela região é impensável, mas precisamos da estrada. Por isso nos comprometemos em preservar aquela área", disse Melo.