Escolas municipais recebem estantes de histórias para reforço pedagógico - Fato Amazônico

Escolas municipais recebem estantes de histórias para reforço pedagógico

Cinco escolas da rede municipal de ensino, situadas na zona urbana, rodoviária e ribeirinha de Manaus, ganharam, ontem (16), um novo reforço pedagógico que irá facilitar a aprendizagem e fomentar a prática da leitura de 1.717 alunos do 1º ao 9º ano do ensino fundamental.

Trata-se do Projeto Cultural de Incentivo à Leitura “Estante de Histórias”, nova ferramenta pedagógica que dispõe de estantes de livros infantis moveis e mais adereços relacionados aos títulos que poderão ser utilizados em atividades de contação de histórias. O projeto é viabilizado pela empresa Videolar Innova, que tem sede em Minas Gerais, e é executado pela empresa VR Projetos Culturais e Sociais, situada em Porto Alegre (RS).

Para mostrar aos educadores possíveis formas de utilização do recurso e apresentar técnicas pedagógicas que incentivem a leitura, representantes da empresa VR Projetos ofereceram uma capacitação aos professores, pedagogos, gestores e alunos das escolas contempladas com o projeto, no auditório da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa).

Na oportunidade, a secretária municipal de Educação, Kátia Schweickardt, destacou que com os esforços realizados pela Semed, com o comprometimento da equipe técnica e com a ajuda de parcerias, e a despeito do momento de crise econômica que o Brasil passa, a rede municipal teve o aumento de 9% na taxa de aprendizagem e conseguiu reduzir 57% o número de abandono escolar. Ela disse, ainda, que sem educador e o livro é impossível fazer educação.

“As conquistas obtidas durante estes dois anos de trabalho fazem parte do comprometimento de toda a nossa equipe e, também, com a colaboração de empresas que são comprometidas com sociedade, como a empresa VR Projetos. Portanto, só temos que agradecer e dizer que estamos à disposição e muito felizes por esta nova parceria”, salientou.

As obras estão distribuídas em cinco minibibliotecas móveis, em uma estante colorida, composta de 100 livros infantis, paradidáticos e de contos destinados a área infantojuvenil, selecionados por profissionais da área de educação e programas de incentivo à leitura.

Segundo a assessora pedagógica da Divisão de Ensino Fundamental (DEF) e coordenadora do Programa Viajando na Leitura, Madalena Moleiro, que está à frente das ações de incentivo a leitura na secretaria, o recurso vai contribuir com o trabalho já realizado nas escolas. “A prática da leitura, quando inicia de forma prazerosa, faz com que a criança se interesse. Vendo por este lado e sabendo que além dos livros, cada escola contemplada receberá um vasto subsídio, a Semed acredita que este material irá tornar a aprendizagem mais prazerosa e interessante”, enfatizou.

As estantes possuem rodas, facilitando o deslocamento das mesmas. Em cada uma delas, serão disponibilizados pelo menos três adereços relacionados ao tema dos exemplares para facilitar o processo de contação das histórias.

Escola contemplada

Umas das escolas contempladas com o projeto foi a Escola Municipal Ricardo Parente, localizada no bairro São José I, zona Leste. A unidade, que trabalha com alunos do 1º ao 5º ano, já desenvolve o projeto “Ler é conhecer e entender o mundo”, que tem como objetivo incentivar a leitura por meio de práticas desenvolvidas em sala de leitura equipada com prateleiras e outros utensílios, adquiridos por meio de recursos federais do Plano de Desenvolvimento da Escola (PDE-Escola), do Ministério da Educação (MEC).

Em relação ao projeto Estante de História, a gestora agradeceu por ter sido uma das escolhidas. “Ele vai agregar mais recursos pedagógicos para o enriquecimento do nosso projeto”, disse.

Segundo a coordenadora de projetos da empresa VR, Vera Shida, com os novos recursos os professores vão poder diversificar a forma de ensinar e incentivar a leitura. "A ferramenta vai possibilitar que o professor faça diversas atividades, entre elas, o piquenique literário, rodas de leitura, trabalhar um determinado título com aluno e, além disso, contação de história dramatizada”, explicou.