Estudantes da rede municipal vão participar do 2º Concurso de Linguagem de Programação e Robótica - Fato Amazônico


Estudantes da rede municipal vão participar do 2º Concurso de Linguagem de Programação e Robótica

Com o envolvimento de aproximadamente 170 estudantes da rede municipal, a Prefeitura de Manaus realizará o 2º Concurso de Linguagem de Programação e Robótica da Secretaria Municipal de Educação (Semed). O evento, que acontece nesta sexta-feira, 24/11, às 9h, tem estimulado as equipes que integram o Projeto do Clube de Linguagem de Programação e Robótica (Procurumim).

O torneio pretende promover a troca de conhecimentos entre os alunos do 1º ao 9º ano do Ensino Fundamental, de 35 escolas que participam do Projeto, em linguagem de programação e robótica, além de apresentar para o público os projetos desenvolvidos ao longo do ano.

Segundo o coordenador do Procurumim, Régis Caria, a competição será dividida em diferentes modalidades, que compreenderão trabalhos envolvendo o uso de softwares e aplicativos educacionais, utilizados nas atividades dos clubes. “A ideia do concurso não é a competição em si, mas desenvolver outros aspectos entre os estudantes, como interação e socialização de conhecimentos. Tanto o concurso quanto o projeto não estão limitados a tratar apenas de robótica, já que acabam sendo trabalhados de forma alinhada a outras disciplinas como matemática e ciências”, explica Régis.

O concurso vai ser definido por seis modalidades.  Terão disputas de aplicativos e softwares como: Kudo (ambiente de programação visual que possibilita a criação de jogos tridimensionais), Blockly (utilizado para resolver problemas como se fossem blocos de montar)  e Sacratch (linguagem de programação que possibilita criar histórias animadas, jogos e outros programas interativos). Também acontecerão competições com o Robô Kids de futebol e o sumô, além do APP Inventor, que permite desenvolver aplicativos Android usando um navegador da Web e um telefone ou emulador conectados.

Fernanda Araújo, também coordenadora do Procurumim, enfatiza que o concurso tem a finalidade de incentivar as habilidades cognitiva, interpessoal e intrapessoal, focadas na fluência tecnológicas que formam o aluno do século 21. “Trabalhamos algoritmos, condicionais, depuração, decomposição, programa. Tudo isso para que a criança ou adolescente possa administrar ou desenvolver seu raciocínio lógico e tenha capacidade de criar artefatos digitais. O Procurumim proporciona que a criança não seja apenas consumidora de tecnologia, mas que se torne criadora de conteúdo”, reforça.

Preparação

Entre as equipes participantes está o clube de robótica e programação da Escola Municipal Irmã Dulce, localizada no bairro São Sebastião, zona Centro-Sul, que em 2016 foi campeã na modalidade de Scratch Games. O clube é formado por dez alunos do 4º ano do Ensino Fundamental e as atividades são realizadas no contra turno escolar.

Conforme o coordenador do Telecentro da escola e responsável pelo clube, Rafael Magnani, a preparação da equipe para o torneio foi intensificada  há um mês. Mesmo com a dedicação, ele afirma que o objetivo principal não é vencer a competição, mas agregar o máximo de conhecimento possível à formação dos alunos. “Se vencermos vai ser ótimo, mas a intenção principal do clube e também do evento é oportunizar e socializar aprendizado”, afirma Rafael, ao ressaltar os resultados positivos do trabalho, principalmente, no que diz respeito ao desempenho acadêmico dos estudantes e desenvolvimento social.

Maria Emília de Oliveira, gestora da escola Irmã Dulce, enfatiza que o Procurumim é muito significativo para unidade, visto que os demais alunos têm tido acesso às tecnologias a partir do clube. “A escola abraça o clube de robótica, porque reconhece a importância do Procurumim dentro da sala de aula. O uso das novas tecnologias no ambiente escolar e a integração entre linguagem de programação e robótica com o currículo básico só trazem benefícios”, salienta.

Isabelle Viana Barbosa, 10 anos, é uma das alunas que irá participar do torneio pela primeira vez. “Gostei tanto do que aprendi aqui que pretendo aprender mais sobre linguagem de programação e robótica no futuro, porque é um assunto muito legal”, disse motivada.