O assessor de Segurança Nacional dos Estados Unidos, John Bolton, acusou na quarta-feira (06/02) pessoas do entorno do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, de viverem uma vida de “esbanjamento” na Europa e desviar riquezas para Cuba enquanto bloqueiam a ajuda humanitária para o povo venezuelano.

“Maduro e seus seguidores vivem uma vida de esbanjamento na Europa e enriquecem seus patrões em Cuba enquanto saqueiam a riqueza da Venezuela”, escreveu Bolton em sua conta oficial no Twitter.

“Enquanto isso, estão bloqueando fisicamente a assistência humanitária para o povo venezuelano, inclusive os militares”.

Nem Bolton nem seu escritório deram mais detalhes sobre a que funcionários venezuelanos se referiam, nem especificaram os países europeus onde podem estar vivendo.

Bolton citou em sua mensagem um tweet anterior do secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, que exigiu a Maduro que deixe entrar na Venezuela caminhões com ajuda humanitária e acusou o Exército venezuelano de estar bloqueando sua entrada.

“O povo venezuelano precisa desesperadamente de ajuda humanitária. Os EUA e outros países estão tentando ajudar, mas o Exército da Venezuela sob as ordens de Maduro está bloqueando a ajuda com caminhões e tanques para o transporte de mercadorias”, escreveu Pompeo no Twitter.

Em declarações à Agência Efe em Caracas, o deputado opositor venezuelano Franklyn Duarte denunciou hoje que o exército venezuelano está bloqueando a ponte fronteiriça de Tienditas, que une o país com a Colômbia.

Os EUA começaram a enviar pacotes de assistência à Venezuela, embora ainda não tenham informado quais serão os detalhes logísticos para sua entrada no país.

(EFE)