Falso funcionário da Amazonas Energia é preso aplicando golpe em escola - Fato Amazônico

Falso funcionário da Amazonas Energia é preso aplicando golpe em escola

Uma investigação de três meses de policiais da Delegacia Especializada em Combate ao Furto de Energia, Água, Gás e Serviços de Telecomunicações (DECFS) levou a prisão na última quarta-feira, 22, por volta das 15h, do falso funcionário da Amazonas Energia, Edison Maia Alves, 49, acusado de estelionato e corrupção passiva. Ele foi preso em flagrante em uma escola de idiomas localizada na Avenida Getúlio Vargas, no Centro de Manaus.

De acordo com o delegado Alfredo Dabella, há três meses a equipes vinham monitorando casos de golpes parecidos com os cometidos por Edison. “O nosso trabalho teve início quando recebemos denúncias aqui na delegacia informando que dois homens estavam se passando por funcionários de uma concessionária de energia, oferecendo serviços técnicos para moradores de residências e donos de comércio. Na oferta, eles prometiam que, após os serviços, o gasto no consumo de energia seria menor”, explicou a autoridade policial.

Durante o período de investigação, constatou-se ainda que uma terceira pessoa estava envolvida no esquema. “Descobrimos que um eletricista era responsável por mapear estabelecimentos, fazer fotos e anotar o número do medidor de energia. Este material era repassado a um funcionário da concessionária, que verificava o nível de consumo dos locais apresentados. As faturas mais altas eram impressas e entregues a Edison, que se dirigia ao local para aplicar o golpe”, complementou Dabella.

Conforme o delegado, no dia 6 de abril deste ano, o trio resolveu agir em uma escola de idiomas. “Na ocasião, um homem se apresentou ao dono do local afirmando que trabalhava na concessionária e alegou que estava ali para analisar a rede elétrica. Ele indicou a necessidade da realização de reparos e informou que outra pessoa iria fazer este serviço, na semana seguinte. Quem apareceu na segunda data marcada, dia 17 de abril, foi Edison. Desta vez, ele apresentou documentos da concessionária que detalhavam o consumo energético no local”, explicou.

“Após um levantamento, Edison apontou os equipamentos que estariam apresentando maior nível de carga energética e informou que as instalações destes aparelhos estariam fora do padrão, necessitando reajuste. Foi neste momento que o homem aplicou o golpe, pois cobrou R$100,00 em espécie ao dono da escola por um trabalho extra, prometendo que a conta de energia iria baixar após isso”, acrescentou.

De acordo com o delegado, o “serviço por fora” chamou a atenção do proprietário do estabelecimento, isso porque o suposto funcionário apresentou papéis de registros de outras empresas que haviam contratado o trabalho. “Mesmo desconfiado, o dono solicitou o serviço e marcou uma outra data para o pagamento. Logo em seguida, ele comunicou a concessionária sobre a situação. Nós fomos contatados pela empresa e realizamos uma ação conjunta para prender Edison”, salientou Dabella.

Na quarta-feira à tarde a equipe ficou de campana e câmeras foram instaladas para flagrar o momento no qual o falso funcionário iria receber o pagamento. “Esperamos ele fechar o negócio com o proprietário e receber a quantia. Logo após, efetuamos a prisão em flagrante. Na delegacia, Edison confessou que atuava no esquema há seis meses, mas sabemos que ele já estava neste meio há mais tempo e que tinha outras vítimas”, disse o chefe de polícia.

Na unidade policial, ele foi autuado pelo crime de corrupção passiva e estelionato.