Festa do Cupuaçu deve injetar R$ 14 milhões na economia de Presidente Figueiredo - Fato Amazônico


Festa do Cupuaçu deve injetar R$ 14 milhões na economia de Presidente Figueiredo

Em meio a muita música e diversão, a Festa do Cupuaçu, realizada em Presidente Figueiredo (AM) entre os dias 27 e 30 de abril, também é oportunidade de expansão comercial e retorno financeiro à economia local. De acordo com a Prefeitura do município, a estimativa é que, neste ano, o evento deva injetar aproximadamente R$ 14 milhões, a partir da movimentação em hotéis e pousadas e do consumo dos visitantes em outros estabelecimentos, durante os quatro dias de festa.

A estratégia de investimentos em eventos culturais por parte do Executivo municipal tem como objetivo incentivar a vocação turística do município, aquecendo o setor comercial. Neste ano, a expectativa para o evento é de ultrapassar o público alcançado no ano passado, 320 mil pessoas.

O prefeito de Presidente Figueiredo, Romeiro Mendonça, destaca que, desde o ano passado, a Festa do Cupuaçu foi elevada a um nível mais sofisticado de produção, o que impacta positivamente a economia da cidade.

“É importante ressaltarmos que, dentre as principais medidas de reestruturação dessa nova gestão, a prefeitura tem trabalhado para que Figueiredo volte a ser palco de grandes eventos e possa ser turisticamente explorada como tantos outros lindos cartões postais no Brasil. E só vamos conseguir fazer isso através de investimento nas nossas produções como tática de desenvolvimento econômico”, enfatizou o prefeito.

O vice-prefeito Mário Abrahão corrobora que a festa é altamente lucrativa para os comerciantes em geral. “Se estimarmos o valor mínimo de despesas gastas por cada turista que passa pelo município, multiplicado pela quantidade de pessoas que esperamos neste ano, considerando o público registrado no ano passado, o retorno para o comércio é cinco vezes maior do que o valor investido na festa”, opinou Abrahão.

Preparação – O mototaxista Jorge Liu Gomes, trabalha há três anos na sede do município, transportando visitantes e moradores durante o ano todo. Ele já se prepara para a alta demanda de serviço e ressalta que a época da safra do cupuaçu, quando a festa é realizada, é incontestavelmente o momento em que dobram os seus lucros.

“A cidade já começa a ferver alguns dias antes da Festa do Cupuaçu e a gente que atende o público não pode se preparar na última hora, senão perde dinheiro. Minha moto já está toda revisada, com óleo trocado, pneus cheios e pronta para trabalhar. Neste final de semana, a gente vai ganhar dinheiro que, geralmente, conseguiria em dois ou três meses”, afirmou o mototaxista.

O feriado subsequente ao evento – o Dia do Trabalhador – também deve favorecer mais ganhos para a economia da cidade, já que grande parte do público da Festa do Cupuaçu permanece na cidade após o término do festival para aproveitar o feriado conhecendo melhor as belezas naturais da região.

Além dos comércios já estabelecidos na cidade, as feiras gastronômicas e de artesanato paralelas à festa também contribuem com o aquecimento da economia. Doces típicos e outras iguarias e itens preparados e confeccionados a partir do cupuaçu são vendidos em grande número aos turistas, que conhecem a versatilidade da fruta que dá nome a uma das maiores festas do Amazonas.

Maria da Conceição Gaia atua há trinta anos como cozinheira em Presidente Figueiredo e há pelo menos três meses se prepara para dar conta do número de demandas que irá receber durante os dias de festa. Ela conta que vende até mil potes de geleia de cupuaçu por dia na época em que é realizado o evento.

“Eu estou trabalhando desde fevereiro na produção dos meus potes de geleia. Neste ano, quero vender pelo menos cinco mil deles na Festa do Cupuaçu porque não é difícil. Ano passado fiz quatro mil e mesmo depois de vender todos ainda tinha gente querendo comprar. Essa oportunidade me ajuda a quitar as minhas dívidas. Temos que aproveitar porque é apenas uma vez por ano”, concluiu.

Hospedagem – A rede hoteleira de Presidente Figueiredo oferece uma infinidade de pacotes. Os preços variam de acordo com o tipo de serviço procurado pelos visitantes. O setor é um dos segmentos que registra maior lucro durante a Festa do Cupuaçu. Uma das iniciativas da prefeitura que cria facilidades e ganhos para os próprios moradores do município e os visitantes é o projeto “Minha casa é um bom negócio”, que possibilita aos nativos o aluguel de quartos e residências aos turistas.