O reforço na estrutura da rede de saúde do estado e o aperfeiçoamento para fortalecimento dos programas de residência médica, executados em parceria com as universidades, estão entre os desafios a serem enfrentados nos próximos anos pelo Governo do Amazonas, que na sexta-feira (15/02) formou novos especialistas de medicina. Os profissionais integraram o Programa de Residência Médica (PRM) da Fundação Hospital Adriano Jorge (FHAJ) e estão prontos para atuar nas áreas de Cirurgia Geral, Clínica Médica, Ortopedia, Traumatologia, Anestesiologia e Otorrinolaringologia.

Os 25 especialistas concluíram três anos de Residência Médica no Hospital Adriano Jorge, unidade da rede estadual de saúde. Ao todo, a FHAJ já contribuiu com a formação especializada e qualificada de 234 profissionais médicos, nas diversas áreas da medicina.


“Sabemos do alto nível de dedicação, organização, comprometimento e qualidade técnica que os servidores estaduais – nossa força de trabalho na saúde – dispensam para formar profissionais que compreendem as necessidades e as peculiaridades do nosso gigantesco Estado”, declarou a Secretária Executiva do Fundo Estadual de Saúde (FES), Daniele Magalhães, que representou a Secretaria de Estado da Saúde (Susam) na cerimônia de formatura, realizada na noite de sexta-feira, no auditório da Universidade do Estado do Amazonas.  

Ela destacou que o governo reconhece os desafios diários nos hospitais e está trabalhando, com planejamento, para melhorar a estrutura da rede . “O governador Wilson Lima já pontuou o trabalho que será executado em todas as áreas, sem desconsiderar nenhuma delas, mas tem deixado claro que a saúde é, quiçá, a maior das prioridades”, disse a secretária do FES. “O desafio do governo é tão grande, considerando a realidade orçamentária, quanto o dos médicos, que se sacrificam, diariamente, para salvar as pessoas e levar qualidade de vida para nossa população. O nosso compromisso, enquanto governo, é fazer de tudo para melhorar a estrutura do sistema de saúde estadual e, com isso, aperfeiçoar os programas de residências médicas, de forma que, ao gerar melhores condições de trabalho aos profissionais, resulte no melhor atendimento à população”, enfatizou Daniele Magalhães. 

Sonho de infância – Allan Rafael dos Santos Tavares, 30, a partir do último dia 15 é anestesista. Ele cursou medicina na Universidade do Estado do Amazonas (UEA). Natural de Manacapuru, o profissional relata que o sonho de ser médico iniciou na infância. 

“Minha mãe sempre visitou parentes e amigos no hospital de Manacapuru. Sempre fui barrado, enquanto criança, nas visitas. Via os servidores de branco da porta do hospital. Prometi que um dia entraria pela porta da frente, não seria barrado e estaria vestido de branco”, relata  Allan. A escolha pela anestesiologia se deu, segundo  Allan, já no primeiro ano do internato, quando passou por diversas unidades de saúde, em especial no Hospital Adriano Jorge. “Me apaixonei pela anestesia e todos os seus desafios. É essencial esta integração do ensino universitário e a prática formalizada na rede estadual, que prepara para enfrentar os desafios diários”.