A França chamou para consultas nesta quinta-feira (07/02) seu embaixador na Itália após a reunião entre o vice-presidente do Governo italiano e líder do Movimento 5 Estrelas (M5S), Luigi Di Maio, e um grupo de “coletes amarelos” em Paris, algo que para o Executivo francês é “inaceitável”.

“As últimas ingerências constituem uma provocação adicional e inaceitável. Violam o respeito devido à escolha democrática feita por um povo amigo e aliado e o respeito que governos democráticos e livremente escolhidos devem ter entre eles”, disse o Ministério de Relações Exteriores em uma declaração oficial.

Di Maio se reuniu em Paris nesta terça-feira com um porta-voz dos coletes “amarelos”, Christophe Chalençon, e com Ingrid Levavasseur, promotora de uma lista desse movimento contestatário para as próximas eleições europeias, a Reunião de Iniciativa Cidadã.

O ministério destacou que “há meses, a França é alvo de repetidas acusações, ataques sem fundamento e declarações degradantes que todo mundo conhece e pode lembrar. Desde o final da guerra, é algo que não tem precedentes”.

As autoridades francesas sublinharam que “ter desacordos é uma coisa e instrumentalizar a relação com fins eleitorais é outra”.

“Todos estes atos criam uma situação grave de questionamento das intenções do Governo italiano diante de sua relação com a França. Diante desta situação sem precedentes, o Executivo francês decidiu chamar para consultas o embaixador da França na Itália”, acrescentaram.

O Ministério lembrou que os dois países estão unidos por “uma história comum” que é “mais indispensável do que nunca para superar seus desafios no século XXI”, e pediu à Itália que “atue para recuperar a relação de amizade e respeito mútuo”.

(EFE)