Francisco Souza vai a Cema averiguar a escassez remédios no Estado - Fato Amazônico


Francisco Souza vai a Cema averiguar a escassez remédios no Estado

Preocupado com a falta de medicamentos específicos para portadores de doenças crônicas como a diabetes, o deputado Francisco Souza (Podemos) esteve na quinta-feira (07) na Central de Medicamentos do Amazonas (Cema), onde se reuniu com o coordenador da Central, Olavo Tapajós.

Segundo o gestor, a demora na distribuição se deu, principalmente, devido à greve dos caminhoneiros que impediu a chegada dos produtos as centrais do país. “Fizemos uma força tarefa trazer esses medicamentos. Entramos em contato com o exército para traze-los, porém eles ficaram presos dentro da greve. Já em relação aos outros meses, ocorreram problemas com licitações e pagamentos”, explicou Olavo.

A denúncia partiu do autônomo Josafá Costa, 30, que precisa das insulinas tipo Degludeca (Tresiba) e a Lispro, para o tratamento da sua filha de 04 anos, Ana Júlia, que possui diabetes. Segundo ele, a última vez que retirou o produto foi em fevereiro, e desde então tem pago do próprio bolso, com o custo mensal de R$ 600, sendo que esse medicamento deveria ser gratuito pelo Estado. “Há dois anos minha filha foi diagnosticada e desde então esse remédio é essencial para o tratamento dela. Se ela deixar de usar pode morrer”, disse.

Para o deputado Francisco Souza a falta de medicamentos na Cema é um problema gravíssimo, pois muitas pessoas precisam desse e outros tipos de remédio para viver. “Viemos acompanhando os pacientes portadores de diabetes, Marcus, o Josafá, e vindo de longe, de Manacapuru, a Ana Cecilia. Eles relatam que não possui medicação para eles, isso é um absurdo e precisamos corrigir urgentemente. Descobrir quem é o culpado, a Cema? a Susam? Por isso nós viemos pessoalmente esclarecer”, declarou Souza.

No início desta sexta-feira (08), a Cema informou que os tipos de insulina que estavam em falta, a Degludeca (Tresiba) e a Lispro, já normalizaram a sua distribuição.