Expedição Monitoramento e Proteção dos Korubo de Coari, em 2015 (Foto – Funai Divulgação)

A Fundação Nacional do Índio (Funai) iniciou nesta quinta-feira sua maior expedição dos últimos 20 anos para entrar em contacto com índios isolados e evitar confrontos entre diversas etnias que compartilham o vale do Javari, na Amazônia, informou o órgão que regula tudo relativo aos povos originais.

A expedição tem como objetivo evitar um conflito entre indígenas das etnias Korubo do Coari, em situação de isolamento voluntário, e Mati, que mantêm contato com outros grupos desde a década dos anos 70.

Ambas as etnias vivem na Terra Indígena Vale do Javari, situada no extremo oeste do estado do Amazonas, na fronteira com o Peru, e uma das maiores terras indígenas delimitadas no país, com mais de oito milhões de hectares.

Sobrevoo realizado pela nova Expedição Monitoramento e Proteção dos Korbo Coari. Imagem Mostra maloca dos indígenas com os quais a Funai tentará contato (Foto – Funai)

As tensões entre os povos aumentou nos últimos anos, já que as duas etnias se aproximaram fisicamente e ocuparam “os territórios alheios”, segundo explicou à Agência Efe o coordenador de Política de Proteção e Localização de Índios Isolados da Funai, Marco Aurélio Milken Tosta.

A situação se agravou em 2015, quando um grupo de 21 indígenas Korubu rompeu seu isolamento depois de ser abordado pelos Matis enquanto atravessavam o rio Branco.

Em relação ao histórico de conflito entre ambos os grupos, os Matis e os Korubu contatados pediram a atuação da Funai a fim de evitar possíveis confrontos entre os indígenas da região.

Os Korubu, além disso, querem ver seus parentes a fim de “retomar os laços”, de acordo com Tosta.

O especialista explicou que a aproximação com os indígenas isolados será realizado através dos Korubu contatados e a partir desse momento a Funai poderá prosseguir com a mediação.

“Os Korubu não sabem o que aconteceu com o grupo. É uma questão complicada. Os que estão na selva não têm informação e a reação é muito difícil de dimensionar. Como pode estar a cabeça desses indígenas que não sabem o que aconteceu? Eles provavelmente consideram que eles foram assassinados, essa é a minha leitura”, acrescentou.

A chamada Expedição de Proteção e Monitoramiento de Indígenas Isolados Korubo do Rio Coari vai durar um ano e contará com o apoio da Polícia Federal, da Secretaria de Segurança Pública do estado do Amazonas e do Exército.

“A expedição da Funai é para evitar qualquer tipo de conflito. Essa possibilidade existe, mas é pequena”, disse o funcionário da Funai. (Agência EFE)