A partir desta sexta-feira (1º/3), a Fundação Hospital Adriano Jorge (FHAJ), vinculada à Secretaria de Estado da Saúde (Susam), estará recebendo 19 novos alunos nos programas de residências médicas, nas áreas de Cirurgia Geral, Clínica Médica, Ortopedia, Traumatologia, Anestesiologia e Otorrinolaringologia, assim como os 5 novos integrantes do Programa de Estágio em Cirurgia e Traumatologia Buco-Maxilo-Facial (PECTBMF).

Segundo o Diretor de Ensino e Pesquisa (DEP), Diego Carvalho, a programação inicia às 8h30, com acolhimentos dos novos residentes e estagiários, no auditório do Hospital Adriano Jorge, localizado na sede da Fundação, na avenida Carvalho Leal, 1778, Cachoeirinha.

“A programação do acolhimento tem como objetivo informar aos novos integrantes sobre o funcionamento, normas, rotinas do hospital, procedimentos operacionais, assim como as dinâmicas hospitalares e interação com os setores administrativos da unidade”, informou Diego Carvalho. Em média, são três anos de residência médica. A carga horária é de 60 horas semanais. O estágio em cirurgia buco-maxilo-facial, que não é remunerado, tem duração de um ano.

A diretora-presidente da FHAJ, Christianny Sena, destaca que o hospital já formou e entregou à sociedade amazonense 234 médicos especialistas. “A formação médica de qualidade e humanizada é uma de nossas prioridades”, destacou Christianny.

Histórico – A residência médica da Fundação Hospital Adriano Jorge (FHAJ) iniciou suas atividades em 1º de fevereiro de 2005, oferecendo então 10 vagas, sendo cinco para o programa em Cirurgia Geral e cinco vagas para o de Clínica Médica.  

A residência médica foi instituída no Brasil pelo Decreto nº 80.281, de 5 de setembro de 1977. Segundo o Ministério da Educação, conforme a Lei nº 6.932, de 07/07/1981, da Presidência da República, a RM constitui-se em uma modalidade de ensino de pós-graduação (latu sensu), destinada a médicos, sob a forma de curso de especialização, funcionando em instituições de saúde, sob a orientação de profissionais médicos de elevada qualificação ética e profissional. A RM é considerada o “padrão ouro” da especialização médica.