Representantes das brigadas contra o Aedes Aegypti recebem o selo verde da FVS

Com redução de casos nas doenças transmitidas pelo Aedes aegypti, a Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM), órgão da Secretaria de Estado da Saúde (Susam), realizou na última terça-feira (12/02), a solenidade de entrega do Selo de Certificação Verde para instituições públicas e privadas que possuem em suas estruturas Brigadas contra o Aedes aegypti.

Durante a abertura do evento a diretora-presidente da FVS, Rosemary Costa Pinto, salientou a importância das brigadas no combate ao mosquito. “A situação epidemiológica no Amazonas é positiva, porém, o cenário pode mudar se as verificações semanais de eliminação de depósitos de água sejam abandonadas, tendo em vista, que estamos em pleno período de transmissão da doença”, disse.

Rosemary agradeceu a adesão de todos e fez um apelo para que estejam atentos ao combate. “Não podemos permitir que sejamos atingidos pelo mosquito, que a cada ano faz vítimas seja por dengue, zika e chikugunya. As notificações são poucas, mas estão acontecendo, por isso precisamos ser vigilantes em todos lugares no trabalho, na casa, na igreja, promovendo a saúde por meio de mobilização social”, acrescentou.

Entre as instituições que receberam o Selo, a Secretaria de Estado de Educação e Qualidade de Ensino (Seduc), no evento representada pela coordenadora do Programa Saúde nas Escolas, Delta Sagadilha, compartilhou a experiência exitosa com a implantação das Brigadas em todas as escolas estaduais da capital.

“Em Manaus são aproximadamente 292 escolas com Brigadas com a participação de alunos, professores e coordenadores pedagógicos onde promovemos além da verificação semanal da checagem do checklist dos criadouros, mas também compartilhamos as medidas de prevenção por meio de paródias e peças para o restante da comunidade acadêmica”, revelou a coordenadora.

Delta acrescentou ainda, que a exemplo do sucesso das brigadas na capital, o projeto, este ano, será fortalecido no interior. “Nosso objetivo é alcançar também a implantação de 100% das escolas estaduais nos municípios. O desafio é imenso, mas a educação abraçou essa causa e vamos promover essa ação no interior para que os nossos alunos não faltem às aulas por conta de um mosquitinho”, comentou.

Certificação – O Selo Verde é uma forma de reconhecimento às organizações que, por meio das brigadas, têm contribuído com o Governo do Amazonas, no combate ao transmissor da dengue, da zika vírus e da febre chikungunya.

Casos das doenças – De acordo com o último Boletim Epidemiológico de Doenças transmitidas pelo Aedes aegypti, as três doenças estão em queda no Estado. Em janeiro de 2019, houve redução de 100% nas notificações de zika, não tendo sido registrado nenhum caso. No ano passado, no mesmo período, foram 35 casos notificados. Já a dengue reduziu 48%, com 356 casos notificados em 2019 e 687 em 2018. A chikugunya caiu 33%. Foram 16 casos em 2019, contra 24 notificações no ano passado.

O diretor técnico, Cristiano Fernandes, explica que o Amazonas vive o período sazonal das doenças causadas pelo Aedes aegypti, por conta do aumento das chuvas, que é quando cresce também a propagação do mosquito e os casos dessas doenças costumam aumentar. “A população toda deve permanecer em alerta para não acumular água parada em suas residências, os casos das doenças ocorrem o ano inteiro, porém 80% das notificações correspondem de janeiro a abril”, comenta.

Cristiano explica que a estratégia de implantação de Brigadas é essencial para manter o alerta e verificação semanal de depósitos que possam acumular água.

Sinais de alerta – Os vírus da dengue, chikugunya e zika são transmitidos pelo mesmo mosquito, o Aedes aegypti, e provocam sintomas parecidos, como febre, manchas vermelhas, dor de cabeça e nas articulações, diarreia. A dengue é considerada a mais grave. No Amazonas, circulam quatro sorotipos diferentes do vírus e as formas mais graves podem levar à morte.