Prefeitura apresenta ações de combate à tuberculose em Manaus - Fato Amazônico


Prefeitura apresenta ações de combate à tuberculose em Manaus

Nesta terça-feira 20/3, a Prefeitura de Manaus, por meio da  Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), irá apresentar as ações desenvolvidas para o combate à tuberculose em Manaus. A apresentação será durante o III Seminário do Comitê Estadual de Tuberculose, realizado na Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam), Parque 10 de Novembro, Zona Centro-Sul, marcando o Dia Mundial de Luta Contra a Tuberculose, celebrado no próximo dia 24.

O evento, de acordo com o secretário municipal de Saúde, Marcelo Magaldi, integra as ações programadas pelo Comitê Estadual de Controle da Tuberculose do Amazonas para o período de 19 a 28 de março, e que tem como objetivo ampliar o conhecimento da população sobre os sinais, sintomas e impactos socioeconômicos de uma doença que apresenta elevada incidência em Manaus.

“É uma forma de divulgar as ações que estão sendo desenvolvidas na rede municipal e reforçar a importância da prevenção à tuberculose, que no ano passado representou 2.290 novos casos em Manaus”, explica Marcelo.

A apresentação no seminário vai destacar as ações de fortalecimento da estrutura de Apoio Diagnóstico e atividades de busca ativa de casos na rede municipal; de educação permanente e capacitação em manejo clínico na atenção primária, monitoramento e controle social; de fortalecimento da vigilância dos pacientes com tuberculose resistentes, da investigação dos óbitos com tuberculose como causa de morte, do monitoramento e avaliação dos indicadores da doença.

“São ações que refletem diretamente na melhoria do trabalho de detecção precoce, no sucesso do tratamento e no índice de cura dos pacientes”, afirma a chefe do Núcleo de Controle da Tuberculose da Semsa, enfermeira Dinah Carvalho Cordeiro, apontando ainda avanços como o aumento no número de casos novos de tuberculose testados para HIV por meio da ampliação de Unidades de Saúde com a oferta do teste rápido para HIV; e o aumento na realização de exames dos contatos de pacientes com tuberculose, principalmente familiares, com confirmação laboratorial, contribuindo para a quebra da cadeia de transmissão.

“Também é importante destacar a melhoria do percentual de cura entre os casos novos da tuberculose pulmonar, que saiu de 72,6% ano 2015 para 79,3% em 2017, e do percentual de abandono de tratamento que passou de 17,8% para 12,3%”, ressalta Dinah.

A Semsa, observa a enfermeira, também realizou ações importantes como a capacitação de pediatras para implantação de 45 referências Tuberculose Pediátrica, a implantação do protocolo de investigação de óbito por tuberculose e reforço da busca ativa de casos da doença em populações consideradas mais vulneráveis (imigrantes em situação de rua, privados de liberdade, albergados e indígenas).

Até o dia 28 de março, as Unidades de Saúde seguirão com o trabalho de intensificação de atividades de comunicação, mobilização social e Educação em Saúde, busca ativa de casos suspeitos, busca de faltosos e exame dos contatos de casos de tuberculose em tratamento.

A tuberculose é uma doença infecciosa e transmissível que afeta prioritariamente os pulmões, embora possa acometer outros órgãos e sistemas do corpo humano. O principal sintoma da tuberculose é a tosse. Por isso, recomenda-se que todo sintomático respiratório – pessoa com tosse por três semanas ou mais – seja examinado.

Há outros sinais e sintomas que podem estar presentes, como febre vespertina, sudorese noturna, emagrecimento e cansaço/fadiga.  Para o diagnóstico da tuberculose são utilizados os seguintes exames: baciloscopia, teste rápido molecular para tuberculose e cultura para micobactéria, além da investigação complementar por exames de imagem.  Sendo uma doença de transmissão aérea, ao falar, espirrar e, principalmente, ao tossir, as pessoas com tuberculose ativa lançam no ar partículas em forma de aerossóis que contêm bacilos.

— — —