Após conhecer a chave do Palmeiras, o dirigente exaltou o técnico Luiz Felipe Scolari e, para brigar em todas as frentes na próxima temporada, projetou um rodízio entre os jogadores.

“Precisamos de um elenco muito competitivo, lembrando que a Libertadores vai até o fim do ano, em paralelo com o Brasileiro e a Copa do Brasil. Temos que fazer o que fizemos nesse ano, a variação na escalação. Aí, é por conta do Felipão. Ele sabe fazer como ninguém”, disse Galiotte ao Fox Sports.

Integrante do Grupo F, o Palmeiras está ao lado de San Lorenzo, Junior Barranquilla e de um time vindo da seletiva, que pode ser Delfin-QUE, Nacional-PAR, Caracas-VEN, Melgar-PER ou Universidad de Chile. No comando do time alviverde, Felipão buscará seu terceiro título continental.

“É um treinador que deu muitas alegrias à torcida. Foi muito bem recebido e fez um trabalho maravilhoso, de acordo com nossa expectativa”, elogiou Galiotte. “Temos que defender as cores do Palmeiras, montando uma equipe qualificada para disputar títulos e ser protagonista”, completou.

No mesmo dia em que definiu os grupos da Copa Libertadores, a Conmebol, presidida pelo paraguaio Alejandro Dominguez, anunciou que o campeão do torneio ganhará US$ 12 milhões (R$ 46,8 milhões), aumento elogiado pelo palmeirense Maurício Galiotte.

“A Conmebol tem procurado fazer uma distribuição maior de valores para os clubes. Isso é importante, porque valoriza a competição. É o torneio mais importante do nosso continente, então é bom que os clubes tenham uma recompensa, porque a gente investe bastante”, declarou.

(Gazeta Esportiva)