Ao que tudo indica, o zagueiro Gil não será repatriado pelo Corinthians em 2019. Alvo da diretoria Alvinegra para reforçar o sistema defensivo de Fábio Carille, o defensor multicampeão pelo clube do Parque São Jorge frustrou as expectativas e anunciou nesta quinta-feira (10/01) sua permanência no Shandong Luneng, da China, com quem possui contrato até o fim da temporada.

Por meio de sua conta oficial no Facebook, Gil emitiu um comunicado agradecendo o interesse dos clubes que buscaram entender sua situação e a disponibilidade de um retorno para o Brasil, mas reiterou que cumprirá seu vínculo com os chineses. Além disso, o jogador ressaltou que a questão financeira não foi um empecilho para a transferência.

“Diante das notícias publicadas nos últimos dias, decidi me manifestar. Primeiramente, agradeço o interesse de todos os clubes que procuraram saber da minha situação. Fico muito feliz e satisfeito, sinal de que o trabalho continua sendo bem feito. Mas eu tenho contrato com o Shandong Luneng, clube que investiu para minha contratação no início de 2016 e onde tenho jogado com frequência, sempre como titular, nos últimos anos”, disse.

“Gostaria de deixar claro que, diferentemente de algumas publicações que vi, eu sigo na China não por conta de não abrir mão de valores – os quais gostaria de entender de onde tiram, pois ninguém da imprensa tem acesso ao meu contrato -, eu sigo, até segunda ordem, por ter contrato com o Shandong, clube que não mediu esforços e investimentos para me comprar do Corinthians. Uma venda onde pude deixar uma grande quantia ao clube que abriu as portas pra mim no meu retorno da Europa, onde fui muito feliz por três anos e ganhei títulos importantes. Mas sou profissional e tenho que cumprir meus contratos, respeitando todas as partes e deixando as portas abertas, como sempre foi na minha carreira”, completou o defensor.

Apesar de não terem sido revelados os clubes interessados, sabe-se que o Corinthians foi um dos clubes que estava interessado na contratação de Gil, como foi confirmado pelo diretor de futebol Duílio Monteiro Alves. O dirigente, porém, alertou para a inviabilidade do negócio nesse momento, mas deixou as portas abertas para um futuro retorno.

(Gazeta Esportiva)