Governo do Japão faz visita técnica à RDS do Tupé para nova cooperação com a PMM - Fato Amazônico

Governo do Japão faz visita técnica à RDS do Tupé para nova cooperação com a PMM

Duas comunidades da Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) do Tupé – Colônia Central e São João do Tupé –, deverão ser as próximas contempladas com a construção de poços artesianos para abastecimento das famílias ribeirinhas residentes nas áreas, por meio de convênio firmado com o Governo do Japão. Ontem (18), técnicos da Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas), responsável pela gestão da RDS, e a representante do Setor de Política, Economia e Cooperação, do Consulado Geral do Japão em Manaus, Takako Shima, realizaram visita técnica às duas comunidades para avaliar as condições de instalação dos poços.

O projeto ainda deverá ser apresentado ao Governo do Japão para que o contrato de doação de recursos possa ser firmado. Essa será a terceira intervenção do Programa de Assistência a Projetos Comunitários de Segurança Humana, do governo japonês, na reserva. Outros dois poços já foram construídos e entregues pelo Governo do Japão em parceria com a Prefeitura de Manaus nas comunidades Julião e Agrovila. “O fomento ao trabalho feito a partir de cooperações internacionais atende a uma determinação do prefeito Arthur Virgílio Neto, e mantivemos a sintonia com a equipe do Consulado Geral do Japão em Manaus, a partir do êxito do convênio de cooperação que resultou em benefícios para os moradores das comunidades ribeirinhas”, afirmou o secretário municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Antonio Nelson de Oliveira Júnior.

A subsecretária Aldenira Queiroz, que acompanhou a visita técnica, destacou a importância do trabalho. “Essa parceria é de extrema importância porque beneficia diretamente as comunidades. É o Japão trazendo benefícios diretos aos moradores ribeirinhos do Tupé”, comemorou. A consultora Takako Shima lembrou que a doação feita anteriormente para a construção de poços também foi oriunda do programa de assistência do Ministério dos Negócios Estrangeiros do Governo do Japão. “Tivemos duas experiências exitosas e recebemos o formulário de solicitação da secretaria, para o mesmo programa de doação. Por isso, estamos realizando essas visitas de diagnóstico para conhecer as áreas e repassar as informações para o Ministério dos Negócios Estrangeiros do Japão, que ficará responsável pela aprovação do projeto. Uma vez aprovado, podemos firmar um contrato de doação entre o Consulado e a Semmas”, afirmou. O projeto deverá ser cumprido ao longo de um ano.

Captação

Na comunidade Colônia Central, a mais isolada da RDS, residem 54 famílias, que necessitam da instalação de um poço artesiano. Atualmente, os moradores dependem de um sistema de captação subsuperficial, que oferece água de forma inadequada à comunidade. A dona de casa Maria Célia da Costa Reis Batista, 53, conta que a comunidade também utiliza água do igarapé que corta a comunidade para beber. “Tudo seca quando o rio baixa e nós ficamos numa situação muito difícil na comunidade”, explica Maria Célia.

De acordo com o diretor de Áreas Protegidas da Semmas, Márcio Bentes, além da Colônia Central, a comunidade São João também não possui um sistema de captação adequado para abastecimento d’água. “As visitas técnicas são a possibilidade de realizarmos um diagnóstico para entender as demandas das comunidades para que possam receber o beneficio”, explica. Hoje, quatro das seis comunidades da RDS do Tupé não têm poços que abastecem de maneira correta os seus moradores. São elas: Central, Livramento, São João e Tatu.

Benefícios

Os dois poços construídos por meio de convênio com o Consulado Geral do Japão foram entregues em abril de 2014 pelo prefeito Arthur Virgílio e o então cônsul do Japão, em exercício, Kenji Sakurai, nas comunidades Julião e Agrovila. No Julião, o poço artesiano atende a aproximadamente, 105 domicílios, beneficiando diretamente 420 pessoas. Na comunidade Agrovila, são 126 domicílios atendidos, com 504 pessoas beneficiadas.